O relato de Riobaldo como um auto-informe-confissão

  • Sandra Mara Moraes Lima Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Resumo

O intuito deste trabalho é demonstrar, amparando-se na teoria bakhtiniana, que o relato de Riobaldo caracteriza-se como um relato auto-informe-confissão, conceito bakhtiniano que se revela como gesto testemunhal e se constitui de uma auto-objetivação em que o outro é excluído com sua abordagem particular e só a relação pura do eu consigo mesmo é princípio organizador da enunciação. Só constitui o auto-informe-confissão aquilo que o eu pode dizer de si mesmo. O tom de Riobaldo é confessional e o princípio organizador de sua narrativa está em sua relação consigo próprio, embora não desconsidere o interlocutor, pois é impossível um auto-informe puro, uma enunciação com apelo axiológico só para si mesmo, uma vez que ter consciência de si na existência já pressupõe que há reflexão axiológica em alguém, de que o ser é para o outro também. Estabelece-se, desse modo, uma tensão com a consciência axiológica do outro que perturba a pureza da relação solitária consigo mesmo. 

Palavras-chave: Riobaldo – Personagem literário. Relato literário. Auto-informe-confissão literário.

Publicado
2019-05-13
Seção
Artigos (Dossiê)