Branquismo, pensamento colonizado e racismo no Brasil

  • Edson Bomfim dos Santos

Resumo

O artigo busca apontar a estruturalidade do racismo através do viés do conceito de branquitude presente na sociedade brasileira, que através da sua colonialidade mental a qual perpassa por seu período histórico de constituição do Estado e que chega aos nossos dias em uma relação simbiótica de flerte com a cultura eurocêntrica e estadunidense e se conforma na transculturação de modelos societários, em um movimento sistêmico de manutenção das desigualdades sociais e preservação do seu status quo baseado na hereditariedade do sistema político. Ao mesmo tempo em que trata das nuances contidas na manutenção deste status o qual se desenvolveu através da naturalização do racismo por um lado e do mito da convivência pacífica imposta com uma suposta democracia racial por outro. Perpassa ainda pelo processo de negação da plurietnicidade e diversidade cultural, pontuando nesta negação o efeito do colorismo com forma de divisão da comunidade negra e consequente maior poder de manipulação da mesma, o qual se conforma no objetivo central de reafirmação de um conceito de branquitude da nossa sociedade o qual de forma subjetivada, se expressa das mais diversas formas como: religiosa, cultural, na educação e mesmo na política, onde o não pensar a partir da própria realidade brasileira nos remete a um distanciamento da realidade em sua essencialidade metafisica.

Referências

BENDIX, Reinhard. Construção Nacional e Cidadania. São Paulo: EDUSP, 1996.

COUTINHO, Carlos Nelson. O estruturalismo e a miséria da razão. 2ª Edição. São Paulo. Expressão Popular, 2010

FANON, Frantz. Pele negra, mascaras brancas. Tradução Renato da Silveira. Salvador, EDUFBA, 2008

GUERREIRO RAMOS, Alberto. A redução sociológica. 2ª Edição. Rio de Janeiro. 1965

LÉVI-STRAUSS, Claude. Raça e História in Antropologia Estrutural II Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1976, capítulo XVIII, p 328-366.

MEDEIROS, Priscila Martins. Cultura e Diferenças: reflexões sobre a desracialização da experiência afro-brasileira. Universidade federal de São Carlos. 18° Congresso Brasileiro de Sociologia. Brasília, 2017.

OURIQUES, Nildo. O colapso do figurino francês – crítica às ciências sociais no Brasil. Florianópolis. Insular, 2ª Edição. 2010

QUIJANO, Anibal. “Colonialidade e Modernidade/Racionalidade. In: BONILLO, Heraclio (comp.) Los conquistados. Bogotá: Tercer Mundo Ediciones; FLACSO, 1992, PP. 437-449. Tradução de Wanderson Floro do Nascimento.

SANTOS, Boaventura de Souza. Descolonizar el saber, reinventar el poder. 2010. Ediciones Trilce

SCHUCMAN, Lia Vainer. Entre o “encardido”, o “branco” e o “branquíssimo”: raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana. São Paulo, 2012. http://www.ammapsique.org.br/baixe/encardido-branco-branquissimo.pdf

STREVA, Juliana Moreira. Colonialidade do ser e coorporalidade: o racismo brasileiro por uma lente descolonial. Revista Antropolítica. N. 40. Niterói, 20 – 53, 1. Sem, 2016