A interação entre o Movimento feminista e o Estado, uma proposta de análise

  • Daniela Rosa de Oliveira

Resumo

Como ocorre a interação entre os movimentos feministas e o poder executivo estadual? Quais são as dinâmicas de interação entre os movimentos feministas e o Estado na produção de políticas públicas?  Estas perguntas são relevantes pois permitem aos cientistas políticos contribuírem com o recente debate das teorias de movimentos sociais e das teorias feministas que se propõem a olhar para as diversas interações encetadas entre os movimentos sociais e o Estado. A proposta em mobilizar e articular as duas teorias, a de movimentos sociais e a feminista, para olhar a interação entre as dimensões Estado e Movimento, está sendo pensada como uma promissora agenda de pesquisa. A literatura feminista e política tem ido muito mais longe no reconhecimento e exploração da interseção entre os movimentos das mulheres e o estado. É um desafio para a teoria dos movimentos sociais e para a teoria feminista investigar sobre este campo de relações e de implicações mútuas entre sociedade civil e Estado. Veremos que os estudiosos dos movimentos mociais já apontam para algumas variáveis que precisam ser consideradas na análise sobre a ação coletiva para além das categorias criadas pelas escolas que até a década de 90 dominavam o campo, para eles essas teorias têm pouco a dizer sobre a diversidade das interações dos movimentos com governos, agências estatais, partidos políticos ou outros atores políticos-institucionais, assim como da natureza dessas inter-relações e de seus efeitos para os atores societários e institucionais.

Referências

ABERS, Rebecca ; TATAGIBA, Luciana. Institutional Activism: Mobilizing For Women’s Health From Inside The Brazilian Bureaucracy. 38º Encontro anual da ANPOCS, GT14 - Entre as Ruas e os Gabinetes: institucionalização e contestação nos movimentos sociais latino-americanos, 2014.

ABERS, Rebecca N.; VON BÜLOW, Marisa. Movimentos Sociais na Teoria e na Prática: Como Estudar o Ativismo Através Da Fronteira Entre Estado e Sociedade? Sociologias 13Dez., p. 52–84, 2011.

ABERS, Rebecca; SERAFIM, Lizandra; TATAGIBA, Luciana. Repertórios de interação Estado-sociedade em um Estado heterogêneo: a experiência da era Lula. Dados, Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, vol. 57, n. 2, p. 325-357, 2014.

ALONSO, Angela. As teorias dos movimentos sociais: um balanço do debate. Lua Nova, São Paulo, 76, p. 49-86, 2009.

ALONSO, Angela. 2012. Repertório, segundo Charles Tilly: história de um conceito. Sociologia & Antropologia, v.02, n.03, p. 21-41, 2012.

ALVAREZ, Sonia E. Para além da sociedade civil: reflexões sobre o campo feminista. Dossiê o gênero da política: feminismos, estado e eleições. Cadernos Pagu (43), 2014.

ALVAREZ, Sonia. Falas do Estado ou o estado das falas sobre as mulheres nas administrações democrático-populares. In: GODINHO; SILVEIRA (org.) Políticas públicas e igualdade de gênero. São Paulo: Coordenadoria Especial da Mulher, 2004. p. 103-111. Disponível em http://library.fes.de/pdf-files/bueros/brasilien/05630.pdf

ALVAREZ, Sonia, et al. Encontrando os feminismos latino-americanos e caribenhos. Revista Estudos Feministas, v.11, n.2, p. 541-575, 2003.

ALVAREZ, Sonia. A “globalização” dos feminismos latino-americanos: tendências dos anos 90 e desafios para o novo milênio. In: ALVAREZ, Sonia; DAGNINO, Evelina;

ALVAREZ, Sonia. Em que Estado está o feminismo latino-americano? Uma leitura crítica das políticas públicas com “perspectiva de gênero”. In: FARIA; SILVEIRA; NOBRE (org.). Gênero nas Políticas Públicas: impasses, desafios e perspectivas para a ação feminista. SOF, São Paulo, p. 9-25, 2000b.

AVELAR, Lúcia. Movimentos, redes, feminismo de Estado: a representação extraparlamentar das mulheres brasileiras. cadernos adenauer xiv, nº3, 2013.

BANASZAK, Lee Ann. Inside and outside the state: movement insider status, tactics and public policy achievements. In: MEYER, David S.; JENNESS, Valerie; INGRAM, Helen (eds.). Routing the opposition: social movements, public policy, and democracy. Minneapolis: University of Minnesota Press, p.149-176, 2005.

BANASZAK, Lee Ann. The Women’s Movement Inside and Outside the State. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.

BEZERRA, Carla de Paiva. Movimento Feminista Brasileiro: Repertórios e estratégia de ação. Revista Feminismos, Vol.2, N.1, 2014.

BOHN, Simone. Feminismo estatal sobre a presidência Lula: o caso da Secretaria de Política para as Mulheres. Dossiê Os anos Lula, Revista Debates, Porto Alegre, v.4, p. 81-106, jul.- dez. 2010.

CARLOS, Euzeneia. Contribuições da análise de redes sociais às teorias de movimentos sociais. Revista Sociologia Política, Curitiba, v.19, nº 39, p.153-166, 2011.

CARLOS, Euzeneia. Cooperação e Conflito na Relação Movimentos Sociais e Estado. https://periodicos.ufsc.br/index.php/politica/article/view/2175-7984.2017v16n35p321

CARLOS, Euzeneia. Movimentos sociais e instituições participativas: efeitos do engajamento institucional no contexto pós-transição. Belo Horizonte, MG, Fino Traço, 2015a.

CARLOS, Euzeneia. Movimentos Sociais e Sistema Político nas Teorias dos Movimentos Sociais. Interseções [Rio de Janeiro] v. 17 n. 1, p. 15-53, jun. 2015b.

CARLOS, Euzeneia; DOWBOR, Monika; ALBUQUERQUE, Maria do Carmo Alves. Movimentos sociais e seus efeitos nas políticas públicas - Balanço do debate e proposições analíticas Civitas, Porto Alegre, v. 17, n. 2, p. 360-378, maio-ago, 2017.

COSTA, Ana Alice Alcantara. O movimento feminista no brasil: dinâmicas de uma intervenção política. 2005.

DIANI, Mario. The Concept of Social Movement. The Sociological Review 40, p. 1-25, 1992.

DIANI, Mario; BISON, Ivano. Organizações, coalizões e movimentos. Revista Brasileira de Ciência Política, núm. 3, p. 220-249, 2010 [2004].

DINIZ, Debora; FOLTRAN, Paula. Gênero e feminismo no Brasil uma análise da revista estudos feministas. Estudos Feministas, Florianópolis, 12(N.E.): 264, setembro-dezembro, 2004.

FRASER, Nancy. Mapeando a imaginação feminista: da redistribuição ao reconhecimento e à representação. Revista Estudos Feministas, vol.15, n.2, 2007, p. 291-308.

GARCIA, Carla Cristina. Breve história do feminismo - São Paulo : Claridade, 2011.

GUTIERRES, Kellen Alves. Projetos políticos, trajetórias e estratégias: a política de assistência social entre o partido e o Estado. Campinas, SP: [s.n.],2015.

LAVALLE, A. G.; SZWAKO, J. Sociedade civil, Estado e autonomia: argumentos, contra-argumentos e avanços no debate. Opinião Pública, Campinas, v. 21, n. 1, p. 157-187, abr. 2015. Disponível em: <http://bit.ly/2wj7bcf>. Acesso em: 21 maio 2015.

MACEDO, Sarah H. SOUZA, Tuanne Almeida. COSTA, Wanderson Araújo. Reconstruindo uma trajetória de lutas: a história do Fórum de Mulheres do Espírito Santo. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Departamento de Serviço Social do Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas da Universidade Federal do Espírito Santo, 2014.

MACIEL, Débora Alves. Ação coletiva, mobilização do direito e instituições políticas O caso da Campanha da Lei Maria da Penha. REVISTA BRASILEIRA DE CIÊNCIAS SOCIAIS - VOL. 26 N° 77 – 2011.

MATOS, Marlise. A Quarta onda feminista e o Campo crítico emancipatório. 38º Encontro Anual da ANPOCS, 2014.

MATOS, Marlise. Movimento e teoria feminista: É possível reconstruir a teoria feminista partir do Sul global? Revista de Sociologia e Política, junho, Nº 36, Vol. 18, 2010.

MATOS, Marlise; PARADIS, Clarisse Goulart. Mulheres e políticas públicas na América Latina e Caribe: desafios à democracia na região. Setembro de 2013.

MATOS, Marlise; PARADIS, Clarisse. Desafios à despatriarcalização do Estado brasileiro. Cadernos Pagu [online]. n.43, pp. 57-118, 2014.

McADAM, Doug; TARROW, Sidney; TILLY, Charles. Dynamics of Contention. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

McADAM, Doug; TARROW, Sidney; TILLY, Charles. Para mapear o confronto político. Lua Nova, São Paulo, 76, p. 11-48, 2009.

MISCHE, A. Partisan Publics. Communication and contention across brazilian youth activist networks. PrinceptonUniversity, 2008.

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. Boimtempo, 2014.

MIGUEL, L. F.; BIROLI, F. Teoria política feminista, hoje. In: MIGUEL, L. F.; BIROLI, F. Teoria política feminista: textos centrais. Editora Horizonte, 2013, p. 7-54.

MIRANDA, Cynthia Mara. Os movimentos feministas e a construção de espaços institucionais para a garantia dos direitos das mulheres no Brasil, 2012. Disponível em:http://www.ufrgs.br/nucleomulher/arquivos/os%20movimentos%20feminismtas_cyntia.pdf. Acesso em 28.08.2015

NOGUEIRA, Thays de Souza. A trajetória da discussão sobre a legalização do aborto no governo executivo brasileiro entre os anos de 2004 e 2010: reflexos da relação movimento feminista e Estado durante o governo Lula. 37º Encontro Anual da ANPOCS SPG04 Estado em movimento: interações socioestatais, incorporação de demandas e seus impactos institucionais no Brasil contemporâneo, 2013.

OUTSHOORN, Joyce. Incorporating feminism. Sex Equality Policy in Western Europe Edited by Frances Gardiner, 2005.

PINHEIRO, Marina Brito. Sobre A Relação Entre Os Movimentos Feministas E O Estado No Brasil (2003-2014). Tese de Doutorado – Universidade Federal de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em Ciência Política, Belo Horizonte, 2015.

PINHEIRO, Marina Brito; OGANDO, Ana Carolina. Os impactos dos Planos Nacionais de Políticas para as Mulheres nas políticas públicas no Brasil. Publicado em http://www.enap.gov.br/web/pt-br/sobre-curso;

PINTO, Celi. A sociedade civil “institucionalizada. Política e Sociedade, 5, 99-115, 2004.

PINTO, Celi. As conferências nacionais no governo Lula: limites e possibilidades da construção de uma esfera pública. In: Encontro Anual da ANPOCS, 30. 2006.

PINTO, Celi. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2003.

PINTO, Celi. Feminismo, história e poder. Revista Sociologia Política, p.15-23, 2010.

Plataforma Política Feminista – PPF, 2002.

RAMOS, 2002; RAMOS, Maria Bernadete. Ao Brasil dos meus sonhos: feminismo e modernismo na utopia de Adalzira Bittencourt. IN: Revista Estudos Feministas. V. 10, n 1. UFSC, Florianópolis, ps. 11-38, 2002.

SADENBERG, Cecilia; COSTA; Ana Alice A. Contemporary feminisms in Brazil: Achievements, Shortcomings, and Challenges. IN: BASU, Amrita (ed.). Women’s Movements in a Global Era: the power of local feminisms. Boulder: Westview Press, 2010.

SANCHEZ, Beatriz Rodrigues. As interações entre os movimentos feministas e o Congresso Nacional brasileiro: uma proposta de análise. Trabalho preparado para apresentação no VII Seminário Discente da Pós-Graduação em Ciência Política da USP, de 8 a 12 de maio de 2017.

SKOCPOL, Theda. Protecting soldiers and mothers: the political origins of social policy in the United States. Cambridge: Belknap Press, 1992.

SARTI, Cynthia Andersen. O feminismo brasileiro desde os anos 1970: revisitando uma trajetória.

SZWAKO, J. E. L. “Del otro lado de la vereda”: luta feminista e construção democrática no Paraguai pós-ditatorial. Tese (Doutorado em Ciências Sociais), 2012.

TARROW, Sidney. O Poder em Movimento: Movimentos Sociais e confronto Político. Petrópolis: Editora Vozes, 2009.

TILLY, Charles. Movimentos sociais como política. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, Nº 3, p. 133-160, 2010.