Uma definição a respeito do padrão de atuação da polícia militar a partir do modelo de justiça como equidade de John Rawls

  • Gusthavo Ribeiro Bacellar

Resumo

Partindo de uma análise histórica do processo de formação da polícia militar, a partir de uma perspectiva histórico institucionalista, constata-se o estabelecimento de um habitus de atuação policial direcionado especificamente a determinado grupo social, o que contribui para o processo de sujeição criminal, circunstância esta que justifica uma proposta para uma tomada de decisão a respeito de que tipo de atuação da polícia militar a sociedade pretende. Utilizando como parâmetro teórico a proposta de justiça como equidade cunhada por RAWLS, concatenada com a percepção do processo de modernidade periférica brasileira de SOUZA, em que se distinguiu, no interior da sociedade, entre cidadãos de primeira e segunda classe, pretende-se propor um modelo para a formação de um consenso acerca do padrão de atuação da polícia militar desejado por nossa sociedade.

Referências

ATLAS DA VIOLÊNCIA -http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=30253

ADORNO, Luís. (2017). Abordagem nos Jardins tem de ser diferente, diz comandante da Rota; Folha de São Paulo; São Paulo; disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/08/1912588-abordagem-nos-jardins-tem-de-ser-diferente-diz-comandante-da-rota.shtml;

BOURDIEU, Pierre. Razões Práticas. São Paulo: Papirus, 1996.

DEMONER, Sonia Maria. História da Polícia Militar do Espírito Santo 1835-1985. Vitória, 1985.

DERRIDA, Jacques. Força de Lei. São Paulo: Martins Fontes. 2007.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA; 9º Anuário Brasileiro de Segurança Pública; Disponível em: http://www.forumseguranca.org.br/publicacoes/9o-anuario-brasileiro-de-seguranca-publica/

FOUCALT, Michel. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 1997.

HAYEK, Friedrich. Porque não sou um conservador. Disponível em http://ordemlivre.org/posts/por-que-não-sou-conservador

HONNET, Axel. A luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo. Ed. 34. 2003.

MARCH, James G. & OLSEN, Johan P. ‘Elaborating the ‘‘New Institutionalism’’ in R. A. W. RHODES, SARAH A. BINDER and BERT A. ROCKMAN (orgs.), The Oxford Handbook of Political Institutions. Oxford, Oxford University Press, 2006, p. 3-20.

MISSE, Michel. Crime, sujeito e sujeição criminal: aspectos de uma contribuição analítica sobre a categoria ‘bandido’. In: Lua Nova, 79: 235-244, 2010.

OAKESHOTT, Michael. Conservadorismo. Belo Horizonte, Ed. Âyiné, 2016.

PAREKH, Bhikhu. Rethinking multiculturalism: cultural diversity and political theory. Harvard. 2002.

RAWLS, John. Uma Teoria da Justiça. São Paulo, Martins Fontes, 2002.

SANDERS, Elizabeth. “Historical Institutionalism”, in R. A. W. RHODES, SARAH A. BINDER and BERT A. ROCKMAN (orgs.), The Oxford Handbook of Political Institutions. Oxford, Oxford University Press, 2006, p. 39-55.

SCRUTON, Roger. O que é conservadorismo. São Paulo: É Realizações. 2015.

SOUZA, Jessé. A Construção Social da Subcidadania: Para uma sociologia política da modernidade periférica; Belo Horizonte; UFMG, 2006.

WEBER, Max. Ciência e Política: Duas Vocações. Brasil: Cultrix, 1967.