O ativismo contra a tortura no sistema prisional capixaba: os padrões de interação entre o movimento de direitos humanos e o governo do estado no contexto das “Masmorras de Hartung”

  • Rodrigo Paris Gasparini

Resumo

Este artigo analisa os padrões interativos e níveis de institucionalização dos
repertórios mobilizados pelo Movimento de Direitos Humanos do Espírito Santo no contexto da Campanha Contra as Violações no Sistema Prisional (2004-2010), empreendida durante a crise no sistema carcerário do estado do Espírito Santo (Brasil), período que ficaria nacionalmente conhecido como “Masmorras de Hartung”. Para realizar tal análise, utiliza-se de um banco de dados pré-estabelecido para fins de realizar tanto a reconstrução do contexto histórico e político no qual se desenrolou a luta do movimento, como para mapear e contabilizar a ocorrência de perfis de repertórios. Para melhor compreensão da luta empreendida pelo movimento social, considera-se o caráter interativo da relação entre sociedade civil e Estado como fruto de rotinas de interação não exclusivamente contenciosas. Isso ocorre com a finalidade de melhor compreender as estratégias empregadas deliberadamente pelo movimento a fim de incidir sobre a conjuntura problematizada.

Referências

ABERS, R.; SERAFIM, L.; TATAGIBA, L. 2014. “Repertórios de interação Estadosociedade em um Estado heterogêneo: a experiência da era Lula”. Revista Dados, Rio de Janeiro, v. 57, n. 2, p. 325-357.

ABERS, Rebecca e VON BÜLOW, Marisa. 2011, “Movimentos Sociais na Teoria e na Prática: Como Estudar o Ativismo através da Fronteira entre Estado e Sociedade? Sociologias vol. 3, no 28, pp. 52-84. 19

ALONSO, A. Repertório, Segundo Charles Tilly – A Historia de um Conceito. Sociologia & Antropologia, v. 2, p. 21-41, 2012.

CARLOS, Euzeneia. 2017. “Cooperação e conflito na relação movimentos sociais e Estado”. Política & Sociedade, Florianópolis, v. 16, n. 35, Jan./Abr., p. 321-350.

CARLOS, Euzeneia. “Movimentos sociais e instituições participativas: efeitos do engajamento institucional nos padrões de ação coletiva”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 30, n. 88, p. 83-99, jun. 2015.

GIUGNI, M.; PASSY, F. 1998. “Contentious politics in complex societies: new social movements between conflict and cooperation”. In: GIUGNI, M.; MCADAM, D.; TILLY, C. (orgs.). From contention to democracy. Lanham, MA: Rowman & Littlefield, p. 81-107.

RIBEIRO JUNIOR, H. 2011. “As políticas penitenciárias e de segurança pública do Espírito Santo no governo Hartung (2003-2010)”. Anais do Congresso Brasileiro de Sociologia, 15, Curitiba, 29.

RIBEIRO JUNIOR, H. 2013. As Políticas Prisionais Capixabas, A Criminalização Seletiva e as Violações aos Direitos Humanos. Disponível em: <http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=3eebaed369eb3ae3>. Acesso em: 01/10/2018.

RIHOUX, B.; RAGIN, C. C. (eds.). 2009, Configurational Comparative Methods Qualitative Comparative Analysis (QCA) and Related Techniques (Applied Social Research Methods), SAGE.

TARROW, S. 2009. O Poder em Movimento: Movimentos Sociais e confronto político. Petrópolis, RJ, Vozes.

TILLY, C. Contentious Performances. Cambridge, Cambridge University Press. 2008. TILLY, C. “Preface” e “Repertoire of contention”. In: TILLY, C. Regime and Repertoire. Chicago, The University of Chicago Press. 2006.

Referências Documentais

CEDH. Conselho Estadual de Direitos Humanos: Cartilha 15 anos em Revista, Vitória, 2011a.

MNDH. 2003. Relatório final da Campanha Nacional Permanente de Combate à

Tortura e à Impunidade, Setembro.