INDICADORES DE MATRÍCULAS SOBRE A INTERFACE ENTRE A EDUCAÇÃO ESPECIAL E EDUCAÇÃO DO CAMPO: O QUE OS DADOS NOS REVELAM?

  • Christiano Felix dos Anjos
  • Claudiana Raymundo dos Anjos

Resumo

O movimento de interface entre a Educação do Campo e a Educação Especial tem sido invisibilizada tanto academicamente quanto nos espaços escolares. A temática requer pesquisas que colaborem em desvelar esse movimento e que contribua com a temática visto que, academicamente, existem pouquíssimos estudos e também mostram fragilidade em se pensar políticas públicas que levem em conta a interface. Nesse artigo temos por objetivo a partir da noção de cartografia de Boaventura de Sousa Santos (2011) desenhar um mapa simbólico que evidencia o cenário dos dados sobre os alunos público-alvo da Educação Especial, matriculados nas escolas da cidade e do campo no Brasil e mais especificamente, no estado do Espírito Santo, a partir do banco de microdados do Ministério da Educação (MEC)/ Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) e das sinopses estatísticas apresentadas no sitio do MEC/INEP. Como natureza metodológica, utilizamos a perspectiva da cartografia simbólica de Boaventura de Sousa Santos. Por esse olhar compreendemos os mapas como representações simbólicas de contextos que se quer evidenciar, neste caso, chamar a atenção para a existência dos alunos público alvo da Educação Especial nas escolas do campo. Como considerações, nossos dados desvelam a presença de alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação matriculados nas escolas do campo e como esse quantitativo vem aumentando no decorrer dos anos analisados. Isso nos permite perceber uma produção de silenciamentos dos alunos matriculados nas escolas do campo, levando em conta que ainda são escarças políticas, ações e pesquisa que levem em conta esses sujeitos.

Referências

ANJOS, Christiano Felix dos. Realidades em contato: construindo uma interface entre Educação Especial e Educação do Campo. 2016. 229 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2016.

BUENO, J.G.S.; MELETTI, S.M.F. Os indicadores educacionais como meio de avaliação das políticas de Educação Especial no Brasil: 2000/2009. In:

BUENO, J.G.S. Educação especial brasileira: 20 anos depois. São Paulo: Educ, 2011. p. 159-182.

CAIADO, K. R. M. Educação Especial no campo: uma interface a ser construída. In: I Seminário de Políticas Públicas de Inclusão Escolar no Rio Grande do Sul, 2010, Porto Alegre, RS. Anais do I Seminário de Políticas Públicas de Inclusão Escolar no Rio Grande do Sul. Marília, SP: ABPEE - ISSN: 2178-4663, 2010.

CAIADO, K. R. M.; MELETTI, S. M. F. Educação Especial na Educação do Campo: 20 anos de silêncio no GT 15. Rev. Eras. Educ. Espec., Marília, v. 17, n. SPE1 ago. 2011.

GONÇALVES. T. G. G. L. Alunos com deficiência na educação de jovens e adultos em assentamentos paulistas: experiências do Pronera. 2014. Tese (Doutorado em edcação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2014.

MANTOVANI. J. V. A Educação da pessoa com deficiência e comunidades remanescentes de quilombos do Estado de São Paulo. 2015 Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2015.

MARCOCCIA, P. C. P. Escolas públicas do campo: indagação sobre a educação especial na perspectiva da inclusão educacional. 2011. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Tuiuti do Paraná, Curitiba, 2011.

PASTORIO, P. NUCLEAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO: O CASO DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL/RS. Dissertação, Universidade Federal de Santa Maria. Programa de Pós Graduação em Geografia e Geociências, RS. 2015.

SANTOS, B. S. A crítica da razão indolente contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 2011.

SANTOS, B. S. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. In: ______. (Org.). Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre as ciências revisitada. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2006. p. 777-815.

SANTOS, B. S. Uma cartografia simbólica das ciências sociais: prolegomenos a uma concepção pós-moderna do direito. Revista Critica de Ciências Sociais. Mar., 1988. SEEMANN, Jörn. Escalas, projeções e símbolos como ferramentas de análise da política educacional: ensaios cartográficos sobre os Parâmetros Curriculares Nacionais da Educação, Santa Maria, RS, Educação, v. 26, n.2, p. 35-46, 2001.

SOUZA, S. R. C. de Educação no Campo e a escolarização de pessoas com deficiência: uma análise dos indicadores sociais no Paraná. 2012. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Londrina, 2012.

Publicado
2019-04-04
Seção
Comunicação Oral - Eixo 1 Do Direito à Educação: políticas de acesso, permanência e qualidade social