A COBERTURA DA IMPRENSA CAPIXABA DA EPIDEMIA DE FEBRE AMARELA NO ES EM 2017

Marcio Martins Calil, Victor Gentilli

Resumo


Este artigo é fruto de estudo em construção que visa a analisar as dinâmicas da cobertura jornalística dos jornais A Gazeta e A Tribuna durante a epidemia de febre amarela no Espírito Santo, entre os meses de janeiro e março de 2017. Para isso, se propõe a investigar as práticas discursivas jornalísticas e a produção de sentidos das matérias publicadas neste período, com base na análise do enquadramento, do conflito e tensões entre os discursos midiáticos e dos especialistas da área da saúde e da midiatização do risco de doenças epidêmicas.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. A. F. P.. Epidemics in the news: Health and hygiene in the press in periods of crisis. Public Understanding of Science, 22(7) 886–902, 2013.

ARAUJO, Inesita Soares de; CARDOSO, Janine Miranda. Comunicação e Saúde. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2007.

BLAKELY, D. E. Social construction of three influenza pandemics in The New York Times. J&MC Quarterly, vol. 80, No. 4, 884-902, 2003.

CZERESNIA, D. et al. Os sentidos da saúde e da doença. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2013.

KASPERSON, R.E. et al. The social amplification of risk: a conceptual framework. Risk Analysis, Vol. 8, No. 2, p. 177-187, 1988.

MALINVERNI, C. Epidemia midiática: produção de sentidos e configuração social da febre amarela na cobertura jornalística, 2007-2008. Physis, Rio de Janeiro, vol. 22, p. 853-872, 2012.

MARCELINO, R. F. R. Febre Amarela: a comunicação pública na mídia impressa no Espírito Santo. 2018. Dissertação (Mestrado em Comunicação). Centro de Artes, Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades, Universidade Federal do Espírito Santo.

VIJAYKUMAR, S. et al. Social media and the virality of risk: The Risk Amplification through Media Spread (RAMS) Model. Homeland Security & Emergency Management, 12(3), p. 653–677, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.