Chamada de artigos para o Dossiê "A Independência e a diversidade de projetos provinciais"

29-06-2020

Dossiê: A Independência e a diversidade de projetos provinciais

Diversos estudiosos têm constantemente revisitado o tema da Independência guiados, em boa medida, pelas preocupações do presente e por novas perspectivas teóricas.  Por ocasião do “Sesquicentenário da Independência”, destacou-se a inovadora coletânea 1822: Dimensões, organizada por Carlos Guilherme Motta em 1972. Marcada por uma perspectiva analítica macroestrutural de linhagem marxista, correlacionou-se nessa obra à desestabilização do antigo sistema colonial na América portuguesa com a passagem do feudalismo para o capitalismo na Europa, destacando-se nesta interpretação a obra do historiador Fernando Novaes. Em 2006 a coletânea A Independência brasileira: novas dimensões, organizada por Jurandir Malerba, agrupou trabalhos que criticaram e requalificaram algumas interpretações reunidas em “Dimensões”. Jorge Pedreira, por exemplo, refutou a interpretação tradicional da crise do sistema colonial, identificando considerável expansão comercial em sua fase terminal. A coletânea também inovou ao incluir novas abordagens, como a participação dos segmentos populares e o papel dos impressos na ruptura política do Brasil com Portugal.

Ainda no começo do século XXI, os artigos da coletânea Brasil: formação do Estado e da nação, publicada em 2003 e organizada por Istvan Iancsó, abordaram a crise do Antigo Regime fundamentalmente em seu aspecto político. Nessa perspectiva, verificou-se que a percepção da crise não ocorreu de maneira uniforme entre os coetâneos, identificando a existência de múltiplos projetos políticos. Paralelamente a essa análise, sobressaiu-se a preocupação com as identidades, que foram investigadas pelo instrumental teórico da história dos conceitos. Seguindo esta linha de interpretação, observou-se que, anteriormente à emancipação política, conceitos como pátria e nação estavam relacionados às identidades regionais como paulistas, pernambucanos, baianenses, o que resultou em novos insights a respeito das motivações e dos sentidos da ação política dos sujeitos individuais e coletivos.

Nesses estudos, a preocupação com o papel das capitânias na Independência (elevadas a províncias em 1821) não esteve ausente, mas as análises focalizaram principalmente São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Pernambuco e Rio Grande do Sul. O dossiê “A Independência e a diversidade de projetos provinciais” constitui em relevante oportunidade para ampliar odebate. O dossiê aceitará artigos que  também analisem regiões que abrangiam diversas províncias de alguma maneira conectadas à Independência e com o pós-independência, tais como: instituições políticas e administrativas, forças militares e policiais, estudo das elites; cultura política e/ou jurídica; pleitos eleitorais, espaços públicos e de sociabilidade, ideias e vocabulários políticos, personagens anônimos, segmentos populares, estudos biográficos, atuação de mulheres e indígenas, entre outros. Pretende-se dessa maneira, por ocasião do bicentenário da Independência, reunir artigos que contribuam para avançar na compreensão da Independência destacando a diversidade de projetos de autonomia concorrentes.

Coordenação: Dra. Fernanda Cláudia Pandolfi 

Prazo de recebimento de artigos:  entre 1º de setembro de 2021 e 31 de janeiro de 2022.