(Des)patologização da vida: perspectiva de assistentes sociais no Recôncavo baiano

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18315/argumentum.v12i2.28842

Resumo

Este trabalho teve como propósito analisar a concepção de profissionais do Serviço Social sobre a loucura e tratamento de usuários dos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), e a relação entre suas considerações e o Projeto Ético-Político (PEP) profissional. A pesquisa teve natureza empírica e abordagem qualitativa. Foram entrevistados cinco assistentes sociais dos CAPS I de municípios do Recôncavo Baiano, para posterior análise de conteúdo por categorização temática. As considerações dos assistentes sociais foram enquadradas numa perspectiva psicossocial, pois dialogam tanto com pressupostos biologicistas e patologizadores, como com a dimensão da cidadania. O destaque, portanto, é a necessidade de a categoria estabelecer relações mais orgânicas com os movimentos sociais vinculados à Luta Antimanicomial, os quais atuam numa perspectiva essencialmente despatologizadora da vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinicius Pinheiro de Magalhães, Universidade Federal de Sergipe - UFS

Mestre em Serviço Social pelo Programa de Pós-graduação da Universidade Federal de Sergipe - PROSS. Graduado em Serviço Social pelo Centro de Artes Humanidades e Letras - CAHL da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - UFRB. Coordenador do Centro de Referência Especializado de Assistência Social - CREAS do Município de Cruz das Almas/BA. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Fundamentos, Formação em Serviço Social e Políticas Sociais - GEPSSO da Universidade Federal de Sergipe - UFS. Áreas de discussão: Serviço Social, Saúde Mental e Movimentos Sociais Político-Religiosos. Linhas de pesquisa: Trabalho, Formação profissional e Serviço Social/Serviço Social, ação política e sujeitos coletivos.

Vera Núbia Santos, Universidade Federal de Sergipe (UFS)

Possui graduação em Serviço Social pela Universidade Federal de Sergipe (1992), mestrado (2001) e doutorado (2009) em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. É professora do quadro efetivo da Universidade Federal de Sergipe, em nível de graduação e pós-graduação e avaliadora ad hoc do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Desenvolve pesquisas sobre condições de trabalho de assistentes sociais, Arte e Serviço Social, Pesquisa em Serviço Social e Política Social.

Downloads

Publicado

2020-08-29

Como Citar

Magalhães, V. P. de, & Santos, V. N. . (2020). (Des)patologização da vida: perspectiva de assistentes sociais no Recôncavo baiano. Argumentum, 12(2), 185–201. https://doi.org/10.18315/argumentum.v12i2.28842