Comunidades terapêuticas e a (re)manicomialização na cidade do Rio de Janeiro

Autores

  • Rachel Gouveia Passos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO
  • Jessica Souza de Farias UFRRJ
  • Tathiana Meyre da Silva Gomes UFF
  • Giulia de Castro Lopes de Araujo UFRJ

DOI:

https://doi.org/10.18315/argumentum.v12i2.29064

Resumo

Na atual conjuntura, as ações direcionadas as pessoas que fazem uso prejudicial de álcool e outras drogas estão baseadas em uma visão moralizante que culpabiliza o indivíduo e impõe como solução o controle dos corpos sob uma base religiosa, associando o cuidado em saúde mental exclusivamente ao autocontrole e a fé. Nesse caminho, o presente artigo objetiva relacionar o crescimento do incentivo financeiro das Comunidades Terapêuticas com o projeto político que está em andamento no governo federal e na condução da política de saúde mental que vem sendo implementada no município do Rio de Janeiro desde o ano de 2017.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rachel Gouveia Passos, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

Pós-doutora em Serviço Social e Políticas Sociais pela UNIFESP; Doutora em Serviço Social pela PUC/SP; Professora da Escola de Serviço Social da UFRJ e colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Política Social da UFF.

Jessica Souza de Farias, UFRRJ

Graduanda em Serviço Social na UFRRJ e Bolsista Iniciação Científica da FAPERJ.

Tathiana Meyre da Silva Gomes, UFF

Doutora em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC/RJ) e Professora dos cursos de Graduação e da Pós-Graduação em Serviço Social na Escola de Serviço Social da Universidade Federal Fluminense (ESS/UFF).

Giulia de Castro Lopes de Araujo, UFRJ

Graduanda na Escola de Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ESS/UFRJ).

Publicado

2020-08-29

Como Citar

Passos, R. G., Souza de Farias, J. ., Meyre da Silva Gomes, T., & de Castro Lopes de Araujo, G. (2020). Comunidades terapêuticas e a (re)manicomialização na cidade do Rio de Janeiro. Argumentum, 12(2), 125–140. https://doi.org/10.18315/argumentum.v12i2.29064