Produção social do suicídio e “questão social” na realidade de Iguatu (CE)

Autores

  • Cynthia Studart Albuquerque Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE
  • Rachel Araujo de Matos INSTITUTO FEDERAL DE CIENCIA E TECNOLOGIA DO CEARA-IFCE

DOI:

https://doi.org/10.18315/argumentum.v12i2.29219

Resumo

O manuscrito versa sobre interface entre a “questão social” e o suicídio na contemporaneidade, a partir da realidade do sertão centro-sul cearense, particularmente, na cidade de Iguatu-CE. A pesquisa realizada foi bibliográfica e documental, através da análise quantitativa e qualitativa dos indicadores de saúde conformados pelos dados da vigilância epidemiológica e dos prontuários do Ambulatório de Personalidade, Autolesão e Suicídio (APAS) do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS III) do município. Como resultado, identificamos que há em Iguatu – CE uma produção social do suicídio atravessado pelas múltiplas expressões da “questão social”. Para enfrentarmos esse processo, é imprescindível a defesa da democracia e dos direitos como questões determinantes para o bem-estar e condições dignas de vida e de trabalho para a classe trabalhadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cynthia Studart Albuquerque, Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE

Mestre em Sociologia - UFC

Doutoranda em Serviçon Social - UFRJ

Professora do Curso de Serviço Social - IFCE

Rachel Araujo de Matos, INSTITUTO FEDERAL DE CIENCIA E TECNOLOGIA DO CEARA-IFCE

Assistente Social pelo Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Ceara-IFCE. Residente em Saúde Mental Coletiva pela Escola de Saúde Pública do Ceará -ESP/CE

Integrante do Grupo de Educação Linguística e Letras-GEPEL e do Grupo de Estudo e Pesquisa sobre Criança e Adolescente-GEPCA pelo Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Ceara-IFCE.

Downloads

Publicado

2020-08-29

Como Citar

Albuquerque, C. S., & Matos, R. A. de . (2020). Produção social do suicídio e “questão social” na realidade de Iguatu (CE). Argumentum, 12(2), 220–237. https://doi.org/10.18315/argumentum.v12i2.29219