Questões metodológicas sobre a acomodação fonológica na música popular

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/cl.v15i30.35140

Palavras-chave:

Fonoestilística, Sotaque, Música popular, Pronúncia

Resumo

Além de uma forma de transmitir significados de um falante para um ouvinte, a língua é também um meio pelo qual a idade, o gênero, a classe social, e a origem geográfica – enfim, a identidade – dos falantes se manifestam. Os falantes têm consciência disso e, ocasionalmente, manipulam seus marcadores linguísticos com fins estilísticos e retóricos. No campo da música popular, já se fala, há algumas décadas, sobre a mudança na pronúncia dos intérpretes, em uma tensão entre manifestação de identidade e acomodação a expectativas estilísticas e sociais, sendo o trabalho de Peter Trudgill (1983) um dos exemplos mais célebres. Neste artigo, argumentamos que qualquer estudo com intenção de explorar esse fenômeno deve tomar especial cuidado em relação às descrições dos dialetos linguísticos em questão, sob o risco de distorcer profundamente os resultados. Mostramos também como a análise da fala do intérprete, ao lado da análise da pronúncia na música, pode nos ajudar a chegar a interpretações menos óbvias dos dados colhidos. Para tanto, analisamos um corpus composto de canções de artistas que têm pouco em comum – a cantora brasileira Rita Lee e o grupo vocal britânico Spice Girls –­ bem como amostras de fala espontânea das intérpretes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Luiz Machado, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP)

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Linguística e Língua Portuguesa da Universidade Estadual Paulista (UNESP); mestre em Linguística e Língua Portuguesa; bacharel e licenciado em Letras pela mesma instituição.

Gladis Massini-Cagliari, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP)

Doutora e mestra em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp); bacharela e licenciada em Letras pela mesma instituição. É professora da Universidade Estadual Paulista (UNESP). Pesquisadora 1B do CNPq.

Referências

ADAMS, C. Why do English singers seem to lose their accent when they sing? Connect Savannah. 10 de maio de 2017. Disponível em: https://www.connectsavannah.com/savannah/why-do-english-singers-seem-to-lose-their-accent-when-they-sing/Content?oid=4728305. Acesso em: 22 mar. 2021.

AUDACITY TEAM. Audacity (R): Free Audio Editor and Recorder. Versão 3.0.0, 2021. Disponível em: https://www.audacityteam.org/. Acesso em: 17 mar. 2021.

ASSIS, A. B. G. Adaptações fonológicas na pronúncia de estrangeirismos do Inglês por falantes de Português Brasileiro. 2007. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa) - Faculdade de Ciências e Letras, UNESP, Araraquara, 2007.

BOERSMA, P.; WEENINK, D. Praat: Doing Phonetics by Computer [Computer program]. (Version 6.1.39), 2021. Disponível em http://www.praat.org/. Acesso em: 27 mar. 2021.

CAGLIARI, L. C. Elementos de Fonética do Português Brasileiro. São Paulo: Paulistana, 2007.

CAMARA JR., J. M. Estrutura da Língua Portuguesa. 15. ed. Petrópolis: Editora Vozes Ltda., 1985. [1a edição: 1970].

COSTA, D. S. A interface música e lingüística como instrumental metodológico para o estudo da prosódia do português arcaico. 2010. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) - Faculdade de Ciências e Letras, UNESP, Araraquara, 2010.

CRYSTAL, D. On singing accents. DCBlog. 2009. Disponível em: http://david-crystal.blogspot.com.br/2009/11/on-singing-accents.html. Acesso em: 26 mar. 2021.

FOULKES, P.; DOCHERTY, G. J. Another chapter in the story of /r/: “Labiodental” variants in British English. Journal of Sociolinguistics, v. 1, n. 4, p. 30-59, 2000. Doi: 10.1111/1467-9481.00102

GIRLS Talk! The Story so Far. In: Spice Girls: Girl Power! Live in Istanbul. 1 DVD (25m19s), 2007. Extras do DVD.

HONEYCUTT, D. Why British Singers Lose Their Accents When Singing. Today I Found Out. 09 de agosto de 2013. Disponível em: http://www.todayifoundout.com/index.php/2013/08/why-british-singers-lose-their-accent-when-singing/. Acesso em: 25 mar. 2021.

KONERT-PANEK, M. Overshooting Americanisation. Accent stylisation in pop singing-acoustic properties of the bath and trap vowels in focus. Research in Language, v. 4, n. 15, p. 371-384, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1515/rela-2017-0021. Acesso em: 14 jul. 2021.

LEE, R. Rita Lee: uma autobiografia. São Paulo: Globo, 2016.

GUPTA, A. F. Baths and becks: A report on two prominent dialectal variables in England. English Today 81, v. 21, n. 1, p. 21-26, 2005.

LEE, R. Rita Fala. In: Biograffiti. 3 DVDs, (15m06s), 2007. Extras do DVD 1.

LEE, R. Rita Lee: uma autobiografia. 1. ed. São Paulo: Globo, 2016.

LINDSEY, G. English After RP: Standard British Pronunciation Today. Palgrave Macmillan, 2019. E-book.

MASSINI-CAGLIARI, G. Das cadências musicais para o ritmo linguístico: uma análise do ritmo do Português Arcaico, a partir da notação musical das Cantigas de Santa Maria. Revista da ABRALIN, v. 7, n. 1, p. 9-26, 2008.

MASSINI-CAGLIARI, G. From Musical Cadences to Linguistic Prosody: How to Abstract Speech Rhythm of the Past. In: PARTRIDGE, J. (Ed.). Interfaces in language. Newcastle upon Tyne: Cambridge Scholars, 2010. p. 113-134.

MASSINI-CAGLIARI, G. Contribuição para a análise do ritmo linguístico das cantigas medievais profanas e religiosas a partir de uma interface Música-Linguística. In: REBELO, H. (Coord.) Lusofonia: Tempo de Reciprocidades. Actas do IX Congresso da Associação Internacional de Lusitanistas. Madeira, 4 a 9 de agosto de 2008. Porto: Edições Afrontamento, 2011a. Vol. I. p. 41-53.

MASSINI-CAGLIARI, G. Adaptação fonológica de nomes próprios de origem estrangeira: comparação entre Português Arcaico e Português Brasileiro. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 40, n. 2, p. 795-807, 2011b.

MASSINI-CAGLIARI, G.; CAGLIARI, L. C. Fonética. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (Orgs.). Introdução à lingüística: domínios e fronteiras. São Paulo: Editora Cortez. 2001. p. 105-146.

MASSINI-CAGLIARI, G.; CAGLIARI, L. C.; REDENBARGER, W. J. A Comparative Study of the Sounds of European and Brazilian Portuguese: Phonemes and Allophones. In: WETZELS, W. L.; MENUZZI, S.; COSTA, J. (Eds.) The Handbook of Portuguese Linguistics. Oxford: Wiley-Blackwell, 2016. p. 56-68.

MONARETTO, V. N. O.; QUEDNAU, L. R.; DA HORA, D. As Consoantes do Português. In: BISOL, L. (Org). Introdução a estudos de fonologia do português brasileiro. 3. ed. Porto Alegre: Edipucrs, 2001. p. 207-241.

NUNES, M. B.; AZZI, J. N. Did America Invade The Beatles as they invaded America? - A comparative analysis on The Beatles’ accent in former and later years. Entrepalavras, v. 7, n. 4, p. 46–65, 2017. Disponível em: http://www.entrepalavras.ufc.br/revista/index.php/Revista/article/view/639. Acesso em: 25 mar. 2021.

Rita Lee e Elis Regina - Completo – 1978. 2013. (7m20s). Disponível em: https://youtu.be/tjVrpyXoi2M. Acesso em: 2 abr. 2021.

ROSTAS, M. H. S. G. Balizas suprassegmentais para a adaptação do reggae cantado em São Luís. 2010. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, UNESP, Araraquara, 2010.

SILVA, T. C. Fonética e Fonologia do Português. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2001.

SINCLAIR, D. Spice Girls Revisited. Omnibus Press, 2008. E-book.

SWAN, M. Practical English Usage: International Student's Edition. 2. ed. Oxford: Oxford University Press, 1996.

VARAH, C. Why Do ‘British Singers’ Such As Ed Sheeran, Adele Lose Their Accents When Singing? News Nation, 23 de setembro de 2019. Disponível em https://english.newsnationtv.com/lifestyle/others/why-do-british-singers-such-as-ed-sheeran-adele-lose-their-accents-when-singing-238542.html. Acesso em: 25 mar. 2021.

Downloads

Publicado

2021-07-26