O investimento vocal do Pessoal do Ceará

um canto torto feito faca

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/cl.v15i30.35168

Palavras-chave:

Investimento vocal, Qualidade vocal, Pessoal do Ceará

Resumo

Com esta reflexão, objetivamos descrever os elementos constituintes das qualidades vocais inovadoras de Belchior, Ednardo e Fagner, surgidos na cena musical brasileira na década de 70 como componentes do chamado Pessoal do Ceará. Da Análise do Discurso delineada por Maingueneau, além dos conceitos posicionamento e investimento, aplicados por Costa (2012) ao discurso literomusical brasileiro, adaptamos à análise da dimensão vocal das canções os conceitos interdiscurso e metadiscurso, que resultaram em intervocalidade (constitutiva e mostrada) e metavocalidade (MENDES, 2013).  Comparamos quatro fonogramas da canção “A Palo Seco” (Belchior, 1974, 1976; Ednardo, 1974 e Fagner, 1976) e concluímos que pode ser ouvida uma estridência nas qualidades vocais de Fagner e Ednardo e uma hipernasalidade em Belchior, cuja intensidade vocal é camuflada por harmônicos mais graves, além de mostrar uma articulação menos definida, com acentuação silábica mais próxima da voz falada, quando comparado aos outros dois cearenses. Quanto à escansão dos versos, ocorre um maior número de pausas e alongamentos vocálicos na primeira gravação de Belchior, os quais são substituídos por suspiros, em Fagner, e apagados em Ednardo. Isso mostra que, apesar das particularidades de cada um, podemos pensar em um arqui-investimento vocal que identifica os três cantores ao posicionamento Pessoal do Ceará.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria das Dores Nogueira Mendes, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Doutora e mestra em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (UFC); graduada em Letras pela Universidade Estadual do Ceará (UECE) e especialista em Linguística e Ensino de Português pela UFC. É professora do Departamento de Letras Vernáculas e do Programa de Pós-Graduação em Linguística da UFC.

Referências

AUTHIER-REVUZ, J. Heterogeneidade(s) enunciativa(s). Trad. Celene M. Cruz e João Wanderley Geraldi. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 19, p. 25-42, 2012. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8636824. Acesso em: 20 dez. 2020.

BAKTHIN, M. (VOLOCHÍNOV). Marxismo e filosofia da linguagem. 7. ed. São Paulo: Hucitec, 2004.

BELHAU, M; ZIEMER; R. Psicodinâmica vocal. In: FERREIRA, L. P. (Org.). Trabalhando a voz: vários enfoques em fonoaudiologia. São Paulo: Summus, 1988.

BEHLAU, M. S; PONTES, P.A.L. Avaliação global da voz. São Paulo: Paulista Publicações Médicas Ltda, 1989.

BELCHIOR, A. C. A palo seco. In: BELCHIOR, A. C. Mote e glosa. Continental, 1974. Faixa 2.

CASTRO, W. No tom da canção cearense: do rádio e tv, dos lares e bares na era dos festivais (1963-1979). Fortaleza: Edições UFC, 2008.

COSTA, N. B. da. A produção do discurso literomusical brasileiro. 2001. 230 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem – área de concentração Análise do Discurso) – Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/14014. Acesso em: 02 dez. 2020.

COSTA, N. B da. Música Popular, Linguagem e Sociedade: analisando o discurso literomusical brasileiro. Curitiba: Appris, 2012.

DINVILLE, C. A técnica da voz cantada. Rio de Janeiro: Enelivros, 1993.

EDNARDO, J. S.C.S. A Palo seco. Continental, 1974. Faixa. Faixa 10.

FAGNER. R. R. C. L. Ave noturna. Continental, 1975. Faixa 2.

KYRILLOS, L. Como falar bem: ênfase e vogais. Disponível em: http://www.lenykyrillos.com.br/videos.html. Acesso em: 27 dez. 2020.

LATORRE, M.C.R.C. A Estética Vocal no Canto Popular do Brasil: uma perspectiva histórica da performance de nossos intérpretes e da escuta contemporânea, e suas repercussões pedagógicas. 2002. Dissertação (Mestrado em Música) - Departamento de Pós-Graduação em Música, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, São Paulo, 2002.

MACHADO, R. A voz na canção popular brasileira: um estudo sobre a vanguarda paulista. Cotia, São Paulo: Ateliê Editorial, 2011.

MAINGUENEAU, D. Novas tendências em Análise do Discurso. Trad. Freda Indursky. Campinas: Ed. da Unicamp/Pontes, 1997.

MAINGUENEAU, D. Gênese dos discursos. Trad. Sírio Possenti. Curitiba: Criar Edições, 2005.

MARCUSCHI, L. A. A hesitação. In: NEVES, M. H. M (Org.). Gramática do português falado. 2. ed. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP; Campinas: Editora da Unicamp, 1999.

MENDES, M. D. N. O duro aço da voz: investimento vocal, cenografia e ethos em canções do Pessoal do Ceará. 2013. 339 f. Tese (Doutorado em Linguística) - Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2013. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/8236. Acesso em: 27 abr. 2021.

Downloads

Publicado

2021-07-26