Trajetórias de professoras que frequentaram o Curso Superior de Cultura Pedagógica: um olhar a partir da revista Vida Capichaba nas décadas de 1920 e 1930

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22535/cpe.v22i52.33819

Palavras-chave:

Reforma educacional, Revista Vida Capichaba, Curso Superior de Cultura Pedagógica

Resumo

Analisa elementos das trajetórias pessoais de professoras que frequentaram o Curso Superior de Cultura Pedagógica (CSCP), realizado entre 1929 e 1930, em Vitória/ES, como parte da reforma educacional proposta pelo governo de Aristeu Borges de Aguiar (1928-1930). Toma como fonte principal a revista Vida Capichaba (1923-1957), que, nascida em meio a um movimento modernista mais amplo, tematizava questões da vida social, cultural e urbana do estado do Espírito Santo e da cidade de Vitória. Dialoga, também, com o jornal Diário da Manhã (1923-1939) e com documentos governamentais. As fontes são analisadas no seu entrecruzamento, tendo em conta as relações de força que envolvem sua produção e o hors texte (GINZBURG, 2002). Conclui que as professoras cursistas do CSCP eram filhas da elite local, em meio à qual tiveram ampla circulação, ao mesmo tempo que trilharam caminho de inserção educacional, como participantes das discussões e dos processos de disseminação das ideias de reformulação do ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosianny Campos Berto, Universidade Federal do Espírito Santo

Docente permanente do Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal do Espírito Santo

Pesquisadora do Núcleo Capixaba de Pesquisa em História da Educação (Nucaphe).

Fernanda Maria Oliveira da Costa, Universidade Federal do Espírito Santo

Programa de Pós Graduação em Educação

Membro do Núcleo Capixaba de Pesquisa em História da Educação (Nucaphe).

Referências

AZEVEDO, Carla Bispo. Maria Eugenia Celso: entre o impresso feminino, a casa e o espaço público (1920-1941). 2015. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.

BERTO, Rosianny Campos. A constituição da escola activa e a formação de professores no Espírito Santo (1928-1930). 2013. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2013.

BERTO, Rosianny Campos; SIMÕES, Regina Helena Silva. O Curso Superior de Cultura Pedagógica (1928-1930) como estratégia de formação de professores e difusão da escola ativa nas escolas capixabas. Cadernos de História da Educação, v. 15, n. 1, p. 398-421, jan.-abr. 2016.

BLOCH, Marc Leopold Benjamin. Apologia da História, ou o ofício do historiador. Trad. André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

GINZBURG, Carlo. Relações de força: história, retórica, prova. São Paulo: Cia das Letras, 2002.

LAUFF, Rafaele Flaiman. Diretrizes para formação de professores espírito-santenses na antessala da ditadura do Estado Novo (1930-1937). 2018. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2018.

MARTINUZZO, José Antonio (Org.). Quase 200: a imprensa na história capixaba. Vitória: DIO, 2008.

NOVAES, Maria Anna Xavier Serra Carneiro de. Os grupos escolares no Espírito Santo: “imagens” em circulação na revista Vida Capichaba (1930-1943). 2013. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Pedagogia) – Centro de Educação, Universidade do Espírito Santo, Vitória, 2013.

NÓVOA, Antonio. O passado e o presente dos professores. In: NÓVOA, António (Org.) Profissão professor. Porto: Porto Editora, 1995. p. 13-34

RANGEL, Lívia de Azevedo Silveira. Lídia Besouchet e Newton Freitas: mediações políticas e intelectuais entre o Brasil e o Rio da Prata (1938-1950). 2016. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História Social. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

RANGEL, Lívia de Azevedo Silveira. “Feminismo Ideal e Sadio”: os discursos feministas nas vozes das mulheres intelectuais capixabas – Vitória/ES (1924 a 1934). 2011. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História Social. Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2011.

SALIM, Maria Alayde Alcantara. Encontros e desencontros entre o mundo do texto e o mundo dos sujeitos nas práticas de leitura desenvolvidas em escolas capixabas na Primeira República. 2009. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2009.

Fontes

C.R. SALDANHA da Gama. Vida Capichaba. Vitória, s./p., 29 jul. 1935.

CARVALHO, Ronald. A literatura na terra de Channan dentro de um seculo (1822-1922). Vida Capichaba. Vitória, s./p., 30 nov. 1927.

COMO pensa a mulher capichaba. Vida Capichaba. Vitória, s./p., s/d. 1929.

ESPÍRITO SANTO (Estado). Decreto nº 9.750, de 30 de agosto de 1929. Secretaria do Interior. Leis votadas pelo Congresso Legislativo do Estado do Espírito Santo: sessão ordinária de 1929. Victoria: Officinas do “Diario da Manhã”, 1930.

ESPIRITO SANTO (Estado). Presidente de Estado (1928-1930: Aguiar). Mensagem apresentada ao Congresso Legislativo na 2ª Sessão da 13ª Legislatura. Vitoria, 7. set. 1929.

GRANDE concurso de belleza. Vida Capichaba. Vitória, s./p., 13 out. 1927.

GRANDE festival da Vida Capichaba em benefício da reconstrução da igreja de São Gonçalo. Vida Capichaba. Vitória, s./p., 21 nov. 1929.

JORNAL falado. Vida Capichaba. Vitória, s./p., 15 nov., 1935.

MORAES, Deodato. Pedagogia scientifica. Vitoria: Officinas do Diario da Manhã, s/d.

NOSSA sociedade. Vida Capichaba. Vitória, s./p., 3 abril, 1930.

O GRANDE festival de caridade do ultimo domingo. Diário da Manhã. Vitória, p. 1, 12 jun. 1928.

PARA a igreja de São Gonçalo. Vida Capichaba. Vitória, s./p., 5 dez. 1929.

HAYDÉE Nicolussi, Lydia Besouchet e Ilza Dessaune. Vida Capichaba. Vitória, s./p., 1-31 jan.1931.

Downloads

Publicado

2020-11-11