O TERRITÓRIO DA RÁDIO PÚBLICA ESTATAL

Autores

  • Ivana Sonegheti de Mingo Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
  • Edgard Rebouças Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Palavras-chave:

Rádio estatal; Comunicação pública; Economia Política da Comunicação; Políticas de Comunicação.

Resumo

O artigo tem o objetivo de apresentar um entendimento sobre como o rádio estatal se insere no território do sistema público de radiodifusão, dada a relevância social do rádio enquanto emissora pública de comunicação para o desenvolvimento democrático. Esta análise foi desenvolvida como parte integrante de pesquisa de mestrado em andamento que tem o objetivo de estudar as emissoras de rádio vinculadas a governos estaduais e ao governo federal, partindo da proposição de pesquisa de que tais emissoras não representam a formação de um sistema de comunicação público nacional ou se caracterizam em uma prática do serviço público de comunicação. Considerando o avanço da mercantilização da cultura e da informação em detrimento do bem público na sociedade, o presente artigo observa a territorialidade no cenário do rádio estatal no Brasil, enquanto consequência das (não) políticas públicas de comunicação aplicadas ao setor. O trabalho se ampara no eixo teórico-metodológico da Economia Política da Comunicação e no processo histórico que modela o universo radiofônico nacional para apresentar uma análise qualitativa do panorama das emissoras que atuam nos estados brasileiros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivana Sonegheti de Mingo, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Mestranda do curso de Pós-graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Edgard Rebouças, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Professor orientador - Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Referências

ANATEL, Agência nacional de Telecomunicações. Mosaico- Sistema Integrado de Gestão e Controle do Espectro – Canais de Radiodifusão. Disponível em:<http://sistemas.anatel.gov.br/se/public/view/b/srd.php>. Acesso em 2 de ago 2020.

BOLAÑO, César. O modelo brasileiro de regulação do audiovisual, RECIIS – R. Eletr. de Com. Inf. Inov. Saúde. Rio de Janeiro, v.4, n.4, p.94-103, Nov., 2010.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF.

BRASIL. Decreto 21.111, 01 mar 1932. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil, RJ.

BRASIL. Lei n0 11652, 07 abr 2008. Diário Oficial da União, Brasília, DF.

CALDAS, Graça. O latifúndio no ar: mídia e poder na Nova República (1985-1989). E-book Cátedra Unesco/Metodista,2011.Disponívelem <https://issuu.com/encipecom2/docs/latifundiodoar>

DEL BIANCO, Nélia R.; ESCH, C. E.; MOREIRA, S. V.Lei de meios como estratégia de fortalecimento da radiodifusão pública: o caso da Argentina, do Equador e do Uruguai.

Revista Comunicação Midiática. Bauru, SP, v9, n3, p. 104-119, Set./Dez. 2014.

DEL BIANCO, Nelia R.; CURADO, Camila Cristina. O Conceito de Radiodifusão Pública na visão de pesquisadores brasileiros. Anais XXXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Foz do Iguaçu, PR, 2014.

DEL BIANCO, Nélia R.; SANTOS, Luís António. Serviço público de média e participação Comunicação e Sociedade, vol. 30, 2016,pp. 7 – 11.

DI MÉO, Guy. Processos de patrimonialização e construção de territórios. Geosaberes, Fortaleza, v. 5, número especial (1), p. 3 - 23, dez. 2014.

FERRARETO, Luiz Artur. De 1919 a 1923, os primeiros momentos do rádio no Brasil. Anais GP Rádio e Mirdias Sonoras - XXXV Intercom . Fortaleza, CE, setembro de 2012.

HABERMAS, Jürgen. Mudança Estrutural da Esfera Pública. São Paulo, Unesp, 2014.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização, do “fim dos territórios” à multiterritorialização. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

HARVEY, David. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005. (p 219-239).

IBGE. Pesquisa Institutos permanentes, por posse de rádio. 2015. Disponível em<https://seriesestatisticas.ibge.gov.br> Acesso em 5 fev 2020.

KANTAR Ibope Media. Covid-19 Impactos no consumo de mídia - Rádio. Disponível em<https://www.kantaribopemedia.com/brasil-consumo-de-radio>> Acesso em 2 ago 2020.

MARQUES DE MELO, José. A participação latino-americana na concepção das teses sobre a democratização da comunicação: re-visitandoMacBride e a NOMIC. Revista EPTIC. Vol. VIII, n. 6, Set-Dez. 2005. p. 42-56.

MENDEL,Toby. Serviço público de radiodifusão:um estudo de direito comparado Brasília:UNESCO, 2011.

MIÈGE, Bernard. As indústrias culturais e mediáticas: uma abordagem sócioeconômica. MATRIZes, [S.l.], v. 1, n. 1, p. 41-54, 2007.

MOSCO, Vincent. The Political Economy of Communication. 2nd Ed. London: SAGE, 2009.

PESQUISADORES da Alcar referendam 1919 como início da radiodifusão no Brasil. Jornal Alcar, Nº 73, 2020. < www.ufrgs.br/alcar/jornal-alcar/jornal-alcar-no-73-julho-2020/editorial>

PIERANTI, Octavio Penna. A radiodifusão pública resiste: A busca por independência no Brasil e no Leste Europeu. Brasília: FAC-UnB, 2018.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

REBOUÇAS, Edgard. Os Atores Sociais do Lobby nas Políticas de Radiodifusão no Brasil. In: BEZZON, Lara Andréa C. (org). Comunicação Política e Sociedade. Campinas, SP: Alínea, 2005.

REBOUÇAS, Edgard; MARTINS, Mariana. Evolução da regulação da mídia eletrônica no Brasil. Revista Estudos em Comunicação. N.2, Dezembro, 2007. (p. 357-369).

SANTANA, Adriana; VELOSO, Ana; MELO, Paula Reis. Amadores da telegrafia sem fio: Um século de pioneirismo, radiofonia e implicações políticas da Rádio Clube de Pernambuco PRA-8. In: RADDATZ, Vera Lucia Spacil (org) ... [et al.].Rádio no Brasil: 100 anos de história em (re)construção. Ijuí : Ed. Unijuí, 2020. (p. 26-42).

UNESCO.Públic broadcasting. Why? How?.2001. Disponível em<http://www.unesco.org/new/en/communication-and-information/resources/publications-andcommunication-materials/publications/full-list/public-broadcasting-why-how/>Acesso em 5/2/20.

VALENTE, Jonas. Concepções e abordagens conceituais sobre sistema público de comunicação.In: INTERVOZES. Sistemas Públicos de Comunicação no Mundo: Experiências de doze países e o caso brasileiro. São Paulo :Paulus, 2009. (p. 25-46).

WEBER, Maria Helena. Nas redes de comunicação pública, as disputas possíveis de poder e visibilidade. In: WEBER, Maria Helena; COELHO, MarjaPfeifer; LOCATELLI, Carlos. (Org).Comunicação pública e política: pesquisas e práticas. Florianópolis: Insular, 2017. p. 23-56.

YIN, Robert K. Estudo de caso: Planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

ZUCULOTO, Valci R. M. A construção histórica da programação de rádios públicas brasileiras, 2010. Tese (Doutorado em Comunicação Social). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

Downloads

Publicado

2020-09-28