PRÁTICAS CULTURAIS AFRO-CAPIXABAS: DISPOSITIVOS NA/PARA AÇÕES EXPRESSIVAS E COMUNICACIONAIS

Autores

  • Sara Passabon Amorim Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
  • Daniela Zanetti Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Palavras-chave:

Estudos das performances.Comunicação.Práticas culturais afrocapixaba. Representatividades.

Resumo

Esse estudo, em andamento, se estabelece no campo dos estudos da performance e comunicação. As culturas afro-brasileira e afro-capixaba e suas variantes, em especial, as performances bantu são os dispositivos potencializadores dessa análise. Afinalidade geral dessa investigação é averiguar e analisar como agentes que atuam no campo da cultura e das artes na Grande Vitória constroem subjetividades que incorporam referências discursivas, imagéticas e estéticas dessas culturas a seus processos comunicacionais em espaços diversos, sejam eles de quaisquer naturezas, que se articula também por meio de nexos comunicacionais. Para além das reflexões de caráter teórico – que agrega fundamentos do campo da comunicação em interface com os estudos das performances, antropologia e sociologia–, utilizamos como instrumental metodológico de caráter qualitativo a aplicação de um questionário online. Foram realizadas entrevistas com pessoas afrodescendentes que atuam nas áreas artísticas e de produção cultural no contexto capixaba. A pesquisafoi divulgada, tanto por email como em redes sociais, Whatsapp e Facebook.Objetivamos refletir sobre questões das representatividades, visibilidades e subjetividades, localizando as potencias comunicacionais das culturas negras e afrocapixaba na sociedade contemporânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sara Passabon Amorim, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Pós-doutorandanda pelo Programa de Pós-graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Daniela Zanetti, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Professora supervisora - Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Referências

CANCLINI, Néstor G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 2.ed. São Paulo: Edusp, 1998.

CANCLINI, Néstor G. Cidades e cidadãos imaginados pelos meios de comunicação. Opin. Publica , Campinas, v. 8, n. 1, p. 40-53, maio de 2002. Disponível:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-62762002000100003&lng=en&nrm=iso> Acesso: 11/05/2020. https://doi.org/10.1590/S0104-62762002000100003. DIAS, Leila C.;

FERRARI, Maristela (org). Territorialidades Humanas e Redes Sociais. Florianópolis: Insular, 2. ed. rev., 2013.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas / Frantz Fanon;tradução de Renato da Silveira.Salvador: EDUFBA, 2008.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

GOFFMAN, Erving. A Representação do Eu na Vida Cotidiana. Petrópolis: Vozes, 1995.

MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo: EDU/EDUSP, 1974.

MARTINS, Leda Maria. Afrografias da Memória: O reinado do Rosário no Jatobá. São Paulo: Perspectiva; Belo Horizonte: Mazza Edições, 1997.

MARTINS, L. Maria.Performancesde o tempo espiralar. In: Graciela Ravetti; Márcia Arbex. (Org.). Performance, exílio, fronteiras, errâncias territoriais e textuais. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2002.

SILVERSTONE, Roger. Por que estudar a mídia? São Paulo: Editora Loyola,2002.

SCHECHNER, Richard. Performance: teoria y practicasinterculturales. Buenos Aires: Rojas: UBA, 2000.

_______________. Performance e antropologia de Richard Schechner. In Z. Ligiéro( Org.). Rio de Janeiro: Mauad,2012. TAYLOR, Diana. O arquivo e o repertório: Performance e Memória Cultural nas Américas.Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

TURNER, Victor. O Processo ritual: estrutura e anti-estrutura. Petrópolis: Vozes, 1974.

______________. The anthropology of performance. New York: PAJ Publication, 1987.

Downloads

Publicado

2020-09-28