NEGROS DE PELE CLARA: REPRESENTAÇÃO DE IDENTIDADES NEGRAS NO YOUTUBE

Autores

  • Luiz Gustavo de Jesus Dantas Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
  • Daniela Zanetti Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Palavras-chave:

Pardos. Identidade negra. Youtubers negros. Exu.

Resumo

O presente trabalho emerge das reflexões iniciais de um projeto de mestrado em Comunicação e Territorialidades pela Universidade Federal do Espírito Santo. Para analisar a construção de representações de identidades negras por negros de pele clara no YouTube, propomos um percurso teórico-metodológico que não aponta respostas, mas sugere vias para se pensar a identidade do negro de pele clara, o chamado pardo, no Brasil. Começamos com uma discussão sobre o mito da democracia racial e a divisão entre pretos e pardos, em seguida, apresentamos reflexões teóricas sobre o YouTube e seus limites e possibilidades para operar como esfera pública e, por fim, desenhamos uma análise decolonial de representação, a partir da compreensão do orixá Exu como sensibilidade analítica. Concluímos que, dada a privação histórica dos sujeitos negros em construir discursos a partir de suas próprias fontes epistêmicas, isto é, fora da tradição eurocêntrica, Exu surge como emancipador do corpo- encruzilhada do negro, privilegiando suas elaborações a partir do espaço ocupado por seu corpo na estrutura social brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Gustavo de Jesus Dantas, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Mestrando do curso de Pós-graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Daniela Zanetti, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Professora orientadora - Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Referências

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

DIJCK, José; POELL, T.; WAAL, M. de. The Platform Society. New York: Oxford University Press, 2018.

FUCHS, Christian. Mídias Sociais e a Esfera Pública. In: Revista Contracampo, v. 34, n. 3, ed. dez/2015-mar/2016. Niterói: Contracampo, 2015. Páginas 5-80.

FREYRE, Gilberto. Casa grande & senzala. São Paulo: José Olympio, 1946. GONZALEZ, Lélia. Lugar de negro. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1982.

HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural da esfera pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.

HALL, Stuart. Quem precisa de identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000. Cultura e Representação. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio: Apicuri, 2016. hooks, bell. Olhares negros: raça e representação. São Paulo: Elefante, 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Características étnico-raciais: Classificações e Identidades. Rio de Janeiro, 2013.

MIGNOLO, Walter D. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, no 34, p. 287-324, 2008.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. 5. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

______. Negritude: usos e sentidos. 4. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2020.

NASCIMENTO, Abdias do. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. 3. ed. São Paulo: Perspectivas, 2016.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo. A colonialidade do saber:eurocentrismo e ciências sociais- 1ª ed. - Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales-CLACSO, 2005.

ROCHA, Fregona Camila. Oi, meus amores!: o cotidiano em narrativas femininas no YouTube. 2020. Dissertação de mestrado (Comunicação e Territorialidades) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2020.

RUFINO, Luiz. Pedagogia das encruzilhadas. Rio de Janeiro: Mórula Editorial, 2019. SCHERER-WARREN, Ilse. Redes sociais na sociedade da informação. In: MAIA, R.; CASTRO, M.C.P.S. (Org.). Mídia, esfera pública e identidades coletivas. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar?. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

SODRÉ, Muniz. Claros e escuros: identidade, povo, mídia e cotas no Brasil. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

_______. Pensar nagô. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

Downloads

Publicado

2020-09-28