OS NEWS PROMOTERS NO ECOSSISTEMA JORNALÍSTICO: A RESSIGNIFICAÇÃO DOS CIENTISTAS A PARTIR DE ATOS DE JORNALISMO

Autores

  • Thalita Mascarelo da Silva Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
  • Victor Israel Gentilli Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Palavras-chave:

Jornalismo científico. Redes sociais. Fontes de notícias. Ecossistema jornalístico. Covid-19.

Resumo

As redes sociais potencializaram a circulação de informação, desse modo, estudar jornalismo passou a ser tarefa ainda mais complexa e ampla. Este texto traz um breve panorama das mudanças na pesquisa devido ao momento histórico de pandemia enfrentado, tendo como foco o momento atual das fontes de informação científicas as quais estão ativamente informando sobre covid-19 por meios de comunicação diversos que intercalam os jornais e as redes sociais. A partir disso, uma pesquisa qualitativa será executada através de questionários enviados aos promotores de notícias (news promoters). Concomitantemente a isso, dados analíticos nas redes sociais dessas fontes emissoras são observados com o intuito de auxiliar na compreensão das relações desses dois territórios - as redes sociais e os jornais -, a partir de seus atores informacionais. Percebeu-se, até aqui, que um número significativo de fontes da ciência publicam informação científica por redes sociais próprias a partir de atos de jornalismo, tornando suas informações visíveis no denominado ecossistema jornalístico, contribuindo e concorrendo com o jornalismo das mídias tradicionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thalita Mascarelo da Silva, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Mestranda do curso de Pós-graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Victor Israel Gentilli, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Professor orientador - Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Referências

AGÊNCIA BORI. Disponível em: < https://abori.com.br/>. Acesso em: 16 jul. 2020.

AGÊNCIA PÚBLICA. Campanha Cientistatrabalhando chama atenção para processo científico. Disponível em: <https://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2020-07/campanhacientistatrabalhando-chama-atencao-para-processo-cientifico>. Acesso em 20 jul. 2020.

ANDERSON, C. W; BELL, E; SHIRKY, C. Jornalismo pós-industrial: adaptação aos novos tempos. Revista de Jornalismo ESPM, v. 5, n. 2, p. 30-89, abr./jun. 2013.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 8ª Ed. São Paulo: Cortez, 2006.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Tradução: L.de O. Rocha. 2ª Ed. Porto Alegre: Artmed,2007.

FAUSTO NETO, A. Prefácio. In: LERNER, K; SACRAMENTO, I. (Org.). Saúde e Jornalismo –Interfaces Contemporâneas. Rio de Janeiro, Fiocruz, 2014.

MARCONI, M. A; LAKATOS, E. M. Fundamentos de Metodologia Científica. 8. ed. São Paulo:Atlas, 2019.

MOLOTCH, H; LESTER, M. As notícias como procedimento intencional: acerca do uso estratégico de acontecimentos de rotina, acidentes e escândalos. In: TRAQUINA, Nelson (org). Jornalismo: questões, teorias e estórias. Lisboa: Vega, 1993.

INSTITUTO SERRAPILEIRA. Cientistatrabalhando: confira as colunas ocupadas na imprensa. Disponível em:<https://serrapilheira.org/cientistatrabalhando-confira-as-colunas-ocupadas-naimprensa/>. Acesso em 22 jul. 2020.

STEARNS, J. Acts of Journalism: defining press freedom in the digital age. New York: Free Press. Disponível em: <https://www.freepress.net/sites/default/files/resources/Acts_of_Journalism_October_2013.pdf>. Acesso em 10 jan. 2020.

Downloads

Publicado

2020-09-28