A CONSTRUÇÃO DO DISCURSO DO NOMADISMO DIGITAL NO TERRITÓRIO INFORMACIONAL

Autores

  • Letícia Gomes Barroso Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
  • Maria Nazareth Bis Pirola Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Resumo

O presente trabalho tem como finalidade entender quais são e como são construídos os discursos do Nomadismo Digital. O fenômeno pode ser resumido a duas ações principais, a união entre o trabalhar e o viajar, considerando o trabalho remoto como opção para todas as profissões. Procura-se entender os discursos do nomadismo digital em dois blogs , Nômades Digitais, que impulsionou o movimento no Brasil e o blog 360meridianos, um blog jornalístico de “cultura viageira”. Neste contexto, a análise das postagens pretende articular os conceitos de território, de Haesbaert (2002) e Santos (2000), território informacional e mobilidade, de Lemos (2004, 2009), no âmbito do trabalho remoto, tendo como método de análise a Semiótica Discursiva com o suporte de Greimas (2014), Barros (2005), Fiorin (2002) e da Semiótica Plástica, com em Oliveira (1993). Deste modo, esta pesquisa tem como intuito identificar os valores promovidos pelos nômades percebendo as temáticas predominantes nos blogs e, por fim, verificar como o plano de expressão, em sintonia com o plano de conteúdo, atua na construção de sentido. Ao considerar que o momento de pandemia da COVID-19 impediu a prática turística, estabeleceu-se um recorte que pretende analisar as postagens anteriores e durante a pandemia, compreendendo as adaptações do movimento ao período.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Letícia Gomes Barroso, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Mestranda do curso de Pós-graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Maria Nazareth Bis Pirola, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Professora orientadora - Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Referências

BARROS, Diana Luz Pessoa de. Teoria semiótica do texto. 4ª ed. São Paulo: Ática, 2005.

FIORIN, José Luiz. Elementos da análise do discurso. São Paulo: Contexto, 2002. Disponível em: https://www.academia.edu/40734106/Elementos_de_analise_do_discurso_jose_luiz_fiorin . Acesso em 22 de março de 2020.

HAESBAERT, R. Concepções de território para entender a desterritorialização. In: BECKER, Bertha K. SANTOS, Milton. Território, Territórios: Ensaios sobre o ordenamento territorial. 3ed. Rio de Janeiro: Lamperina 2002. Disponível em:

https://yadi.sk/i/roETIHQss9j9x . Acesso em 16 de dezembro de 2019.

LEMOS, A. Cibercultura e mobilidade: A era da conexão. Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação , Rio de Janeiro: XXVIII INTERCOM, 2004. Disponível em:http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2005/resumos/r1465-1.pdf . Acesso em 21 de março de 2020.

LEMOS, A. Cultura da mobilidade. Porto Alegre: FAMECOS, n° 40, 2009. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/viewFile/6314/4589 . Acesso em 02 de agosto de 2020.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. São Paulo: Bertrand Brasil, 2000. Disponível em:http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/2010/sugestao_leitura/sociologia/outra_globalizacao.pdf . Acesso em 16 de dezembro de 2019.

OLIVEIRA, A.C. de. As Semioses Pictóricas. Porto: Cruzeiro Semiótico, 1993. Disponível em: https://www.pucsp.br/cps/downloads/biblioteca/as-semioses-pictoricas-ana-claudia.pdf .Acesso em 21 de março de 2020.

Downloads

Publicado

2020-09-28