SHOPPING CENTER: TERRITÓRIO DA ABUNDÂNCIA

Autores

  • Glauber Pinheiro Rocha Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
  • Flávia Mayer dos Santos Souza Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Palavras-chave:

Comunicação. Consumo. Semiótica. Shopping Center. Território.

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar parte de uma pesquisa de mestrado que toma como objeto de estudo o primeiro grande shopping center da capital capixaba. Com isso, busca construir reflexão que aborda o shopping center como território. Nessa visada, compreende que nos limites desse tipo de empreendimento: a comunicação se estabelece por meio de variadas plataformas e situações; e face do controle que o caracteriza impõe normas e proporciona segurança. Trata-se de um território da abundância, onde o excesso de marcas, comunicação, bens e experiências a consumir transborda, inundando todas as áreas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Glauber Pinheiro Rocha, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Mestre pelo Programa de Pós-graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Flávia Mayer dos Santos Souza, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Professora orientadora - Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Referências

ABRASCE. Números do setor. Disponível em: <https://bit.ly/3gJcS9Y>. Acesso em: 14 fev. 2020.

BACCEGA, M. A. Comunicação e Consumo. In: CITELLI, A. et al. (Org.). Dicionário de comunicação: escolas, teorias e autores. São Paulo: Contexto, 2014.

BERTRAND, D. Caminhos da semiótica literária. São Paulo: EDUSC, 2003.

CANCLINI, N. G. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. 8 ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2015.

CANEVACCI, M. A cidade polifônica: ensaio sobre a antropologia da comunicação urbana. 2 ed. São Paulo: Studio Novel, 1997.

DOUGLAS, M.; ISHERWOOD, B. O mundo dos bens: para uma antropologia do consumo. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2004.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. 6 ed. Rio de Janeiro: Bernard Brasil, 2011.

PADILHA, V. Shopping center: a catedral das mercadorias. São Paulo: Boitempo, 2012. RAFFESTIN. C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Editora Ática, 1993.

REVISTA SHOPPING CENTERS. Censo Abrasce: setor de shopping centers registra alta de 7,9%. Disponível em: <https://bit.ly/3ahoQFl>. Acesso em: 14 fev. 2020.

ROCHA, G. P. Comunicação, consumo e cidade: os discursos de um shopping center. 2020. 260 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Territorialidades) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2020.

SACK, R. D. O significado de territorialidade. In: DIAS, L. C.; FERRARI, M. (Org.). Territorialidades humanas e redes sociais. Florianópolis: Editora Insular, 2013. p. 63-89.

SAQUET, M. A. Por uma geografia das territorialidades e das temporalidades: uma concepção multidimensional voltada para a cooperação e para o desenvolvimento territorial. 2 ed. Rio de Janeiro: Consequência, 2015.

SARLO, B. Cenas da vida pós-moderna: intelectuais, arte e videocultura. 5 ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2013. A cidade vista: mercadorias e cultura urbana. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2014.

SHOPPING Vitória. Shopping. Disponível em: <https://bit.ly/3io6xB9>. Acesso em: 14 fev. 2020.

SOUZA, F. M. dos S.; PIROLA, M. N. B. Marcas de um tempo: entre paisagens, cidade, publicidade e consumo. In: DADALTO, M. G.;

REBOUÇAS, M. M. (Org.). Modos de ser professor de Arte na contemporaneidade. Vitória: EDUFES, 2017. p. 195-218.

Downloads

Publicado

2020-09-28