ARQUEOLOGIA HOMOERRÁTICA DE A CRUZ NA PRAÇA UM FILME DESAPARECIDO DE GLAUBER ROCHA [1959]

Autores

  • Fabricio F. Fernandes Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
  • Gabriel Menotti Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Palavras-chave:

Prática homoerótica. Arqueologia. Glauber Rocha. A Cruz na Praça.

Resumo

A dissertação se arrisca na produção de uma arqueologia para o curta-metragem A Cruz na Praça (1959), de Glauber Rocha, um filme desaparecido na história do cinema brasileiro. Neste estudo, faz-se um exercício arqueológico com três movimentos de pesquisa. Primeiro, uma historiografia homoerótica com relatos da prática de pegação na década de 1950 e no início de 1960, a partir de registros literários e pesquisas etnográficas, além de representações de personagens homoeróticos no cinema brasileiro, em períodos próximos ao da produção do curta estudado. Um segundo passo é dado com a retomada da biografia de Glauber Rocha na primeira fase do movimento Cinema Novo, entre 1955 e 1959, situando as atividades literária, ensaística, jornalística, teatral e cinematográfica de um artista pré-Barravento, seu primeiro longa- metragem. O terceiro e último movimento é o da produção da arqueologia de A Cruz na Praça. Nessa fase, realiza-se o levantamento de fragmentos sobre o objeto desta pesquisa a partir de um exercício de compreensão sobre o inacabamento e o desaparecimento do copião de um filme com abordagem sobre a perambulação homoerótica na Bahia de 1959 – tema historicamente transgressor, de confronto com a hegemonia heteronormativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabricio F. Fernandes, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Mestrando do curso de Pós-graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Gabriel Menotti, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Professor orientador - Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é contemporâneo? e outros ensaios. Tradução: Vinicius Nicastro. Chapecó, SC: Argos, 2009.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução: Luiz Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense, 2007.

__________.Arqueologia de uma Paixão. In literatura e pintura, música e cinema. Org. Manoel Barros da Motta: tradução, Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001.

__________.Da amizade como modo de vida. Gai Pied, nº 25, p. 38-39, abr. 1981. Disponível em http://www.portalgens.com.br/portal/imagens/stories/pdf/amizade. Acesso em 30 de julho de 2016. Entrevista de Michel Foucault a R. de Ceccaty. J. Daniel e J. Tradução de Wanderson Flor do Nascimento.

__________. O saber gay. Tradução de Eder Amaral e Silva e Heliana de Barros Conde Rodrigues. Revista Ecopolítica, n. 11, jan-abr, 2005. pp. 2-27.

GERBER, Raquel. Glauber Rocha e a experiência inacabada do Cinema Novo. In:BERNADET, Jean Claude; GOMES, Paulo Emílio Salles (Orgs). Glauber Rocha. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1977.

GATTI, José. Chiaroscuro. Glauber Rocha in Claro. Universidade de São Carlos, 2005. Concordia University, Montreal, Canadá, 2005.

ROCHA, Glauber. Revolução do Cinema Novo. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.

__________. Revisão crítica do cinema brasileiro. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

__________. O sékulo do kynema. Rio de Janeiro: Alhambra, 1983 XAVIER, Ismail. Sertão mar – Glauber Rocha e a estética da fome. São Paulo: Brasiliense, 1983.

Downloads

Publicado

2020-09-28