ASPECTOS DO AFETO NO CONTEXTO DA MIDIATIZAÇÃO DRAG

Autores

  • Lucas Bragança Universidade Federal Fluminense - UFF
  • Erly Vieira Jr Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Palavras-chave:

Drag Queen. Corpo. Mídia. Afeto.

Resumo

Nota-se na atualidade uma forte presença de drag queens nos mais variados contextos midiáticos. Isso teve início, principalmente, através da popularidade do programa estadunidense RuPaul’s Drag Race em 2009. A partir disso, uma nova cena se articulou no Brasil, estabelecendo as drag queens como importantes figuras do entretenimento. Como apontado na dissertação “Drag: Corpo, Mídia e Afeto”, aprovada em 2019, a qual este artigo apresenta parte das conclusões, a presença desses corpos e performances na mídia acaba convocando parte dos espectadores a performarem também como drag. Através de uma pesquisa que mesclou elementos da análise de discurso de cenas do programa e de entrevistas semiestruturadas realizadas com jovens drag queens do cenário nacional, o trabalho aponta para a relevância de três esferas do afeto na constituição desse ambiente cultural. O primeiro, no sentido da presença dessas performances afetarem sensorialmente o público; o segundo, na ideia da afetação (ou afeminação) desses corpos e o terceiro, abarca a esfera afetiva que se estabelece através de identificação com a comunidade LGBT+.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Bragança, Universidade Federal Fluminense - UFF

Mestre pelo Programa de Pós-graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Doutorando pela Universidade Federal Fluminense (UFF).

Erly Vieira Jr, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Professor orientador - Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Referências

BRAGANÇA, Lucas. Desaquendando a História Drag: no Mundo, no Brasil e no Espírito Santo. Vitória: Edição Independente, 2019.

_______________. Drag: Corpo, Mídia e Afeto. 2019, 138p. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Territorialidades) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitoria, 2019. Disponivel em: [ https://bit.ly/3at04lO ].

BRUNO, Fernanda. Máquinas de ver, modos de ser: visibilidade e subjetividade nas novas tecnologias de informação e de comunicação. Porto Alegre: Sulina, 2010.

HARDT, Michael. Para que servem os afetos? Revista Digital, ano IV, n.07, 2015. Disponível em: [ https://bit.ly/2Ettt0J ].

MATEUS, Samuel. Reality-Show: ascendências na hibridização. Revista Contemporânea v. 10, n. 2. Salvador: 2012. Disponível em: [ https://bit.ly/2Ver9QJ ].

_____________. Reality-Show: uma análise de gênero. In Revista Comunicando, v.1, n.1, 2012. Disponível em: [ https://bit.ly/2C1obKo ].

SILVA, Rodrigo Souza. Intercessores do conceito de afeto na teoria deleuziana do cinema. Intercom. Ouro Preto, MG, 2012. Disponivel em: [ https://bit.ly/2SXm7vf ].

SONTAG, Susan. Notas sobre Camp. In: Contra a interpretação. Porto Alegre: L&PM, 1987.

Downloads

Publicado

2020-09-28