UMA PESQUISA EM CONSTRUÇÃO: COMUNICAÇÃO, CORPO E GÊNERO NAS MANIFESTAÇÕES DE ENTIDADES NA UMBANDA

Autores

  • Maurílio Mendonça de Avellar Gomes Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
  • Erly Vieira Júnior Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Palavras-chave:

Comunicação; Umbanda; Corpo; Gênero.

Resumo

Não há o fenômeno de incorporação, na Umbanda, sem corpo. É pelo corpo que a entidade ancestral se manifesta e, assim, se comunica. O corpo do umbandista, durante as giras (cerimônias), ganha novas formas, multiplica-se em outros corpos possíveis.São corpos incorporados, transformados em meios de comunicação. Há mais de cinco anos, faça parte do Centro Espírita Orixalá, de Vila Velha – terreiro com mais de 45 anos de atividade. Nele, independente do gênero ou do sexo que o e a umbandista se identifica, este e esta poderão incorporar ancestrais que se apresentam tanto do gênero masculino quanto do gênero feminino. Um mesmo corpo que pode ser homem e mulher. É essa duplicidade que interessa a pesquisa “Comunicação, corpo e gênero nas manifestações de entidades na Umbanda” – iniciada em 2020 no Programa de Pós-graduação em Comunicação e Territorialidades (POSCOM) da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) – com este artigo apresentando os primeiros passos do estudo, incluindo as defesas sobre o objeto de pesquisa, a metodologia a ser adotada, o princípio de referencial bibliográfico, assim como as definições do que virá a ser a pesquisa de campo. Afinal, quantos corpos cabem em um corpo?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maurílio Mendonça de Avellar Gomes, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Mestrando do curso de Pós-graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Erly Vieira Júnior, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Professor orientador - Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Referências

AMARAL, L. S.; DRAVET, M.. Antopofagia e estética corporal na cultura brasileira: dos cultos às performances afro-indígenas-brasileiras.In: CAMARGO, H. W. (Org.). Umbanda, Cultura e Comunicação: olhares e encruzilhadas . Curitiba: Syntagma Editores, 2019, 350 p.

BAITELLO JR., Norval. O tempo lento e o espaço nulo: Mídia primária, secundária e terciária . Org.: FAUSTO NETO, Antônio et al. Interação e sentidos no ciberespaço e na sociedade. Porto Alegre, EDIPUCRS, 2001.

BUTLER, J. Judith Butler escreve sobre sua teoria de gênero e o ataque sofrido no Brasil. Folha de São Paulo , São Paulo, 19 nov. 2017. Disponível em:< https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2017/11/1936103-judith-butler-escreve-sobre-o-f

antasma-do-genero-e-o-ataque-sofrido-no-brasil.shtml >. Acesso em: 11 set. 2019.

CAMARGO, H. W. A Umbanda na Encruzilhada da Comunicação. In: JUNIOR, A. C. A.; FILHO, C. T.; CAMARGO, H. W.; CRESTO, L. (orgs.). Reflexões sobre mídia e consumo. Londrina: Syntagma Editores, p. 185-197, 2018.

DRAVET, F. O imaginário ou a comunicação entre corpo e linguagem: problematização do fenômeno na incorporação no Brasil. Conexão – Comunicação e Cultura, UCS, Caixas do Sul, v.15, n.30, p.287-306, jul-dez. 2016.

GUATTARI, F. Caosmose: um novo paradigma estético . Tradução Ana Lúcia de Oliveira; Lúcia Cláudia Leão. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1993. PEREIRA, P. P. G. As incorporações e suas poéticas. Debates do NER , Porto Alegre, ano 18, n. 31, p. 137-171, 2017.

_________________. Queer nos trópicos . Contemporânea – Revista de Sociologia da UFSCar , São Carlos, v. 2, n. 2, p. 371-394, 2012.

PENNA, T. S. Ecologia da Comunicação na religiosidade: um estudo sobre os processos comunicacionais na Tenda Espírita Nossa Senhora da Piedade . Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Universidade Paulista, São Paulo, 2018.

Downloads

Publicado

2020-09-28