FLUXOS DO ARMÁRIO NO CINEMA CONTEMPORÂNEO BRASILEIRO

Autores

  • Tadeu Bousada Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
  • Erly Vieira Júnior Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Resumo

Entendendo o armário enquanto fenômeno que não só interpela as subjetividades individuais dos corpos LGBTQIA+, mas também está nos dispositivos de poder e controle presentes na topografia urbana – deflagrando relações e perfomances de gênero como lícitas e ilícias - é objetivo deste artigo divagar sobre tal regime de sociabilidade em três filmes do cinema contemporâneo brasileiro: Tatuagem (2013), Hoje Eu Quero Voltar Sozinho (2014) e Tinta Bruta (2018). Em cada título foi feita a interconexão entre as narrativas e as epistemologias sociais do armário que lhes são convenientes, assim como pensar processos fílmicos dialógaveis com esses objetos. A título de exemplo, foi deduzido como a referida expressão se comporta ao ser apropriada por outras problemáticas minoritárias, caso da obra dirigida por Daniel Ribeiro (2014), onde o protagonista reivindica a sua identidade homoerótica e independência como portador de deficiência visual. Já na produção assinada por Hilton Lacerda (2013), esse armário pôde ser pensado através da oposição entre a instituição reguladora dos bons costumes morais (exército) e as subculturas do desejo em sociedades metropolitanas, representadas pelas figuras do artista efeminado e o soldado fanchono. Por fim, da película co-realizada por Filipe Matzembacher e Márcio Reolon (2018), referiu-se às noções de desorientação (Ahmed, 2002) presentes no deslocamento do personagem principal em relação a cidade-armário que por muitas vezes parece querer expulsá-lo e/ou coagí-lo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tadeu Bousada, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Mestrando do curso de Pós-graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Erly Vieira Júnior, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Professor orientador - Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Referências

AHMED, Sara. Queer phenomenology: Orientations, objects, others. Durham: Duke University Press, 2006.

COSTA. C. F. A Inocência e o vício: estudos sobre o homoerostismo. Relumbre-Dumará. Rio de Janeiro. 1992.

FOUCAULT, Michel. O corpo utópico, As Heterotopias. São Paulo: n-1 edições (2013).

FREEMAN, Elizabeth. “Queer and not now”. In: Time binds: Queer temporalities, queer histories. Durham/London: Duke University Press, 2010.

HOJE EU QUERO VOLTAR SOZINHO. Ficção/Longa-metragem. Direção: Daniel Ribeiro. Distribuição: Strand Releasing. 1 hora e 36 minutos. Brasil, 2014.

LOPES, DENILSON. Terceiro Manifesto Camp. O homem que amava rapazes e outros ensaios. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2002.

MISKOLCI, Richard. Machos e Brothers: uma etnografia sobre o armário em relações homoeróticas masculinas criadas on-line. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, 21(1): 424, janeiro-abril/2013.

OLIVEIRA & MAIOR. O Intercâmbio Impossível da Adolescência: análise psicanalítica sobre o despertar da sexualidade por meio do filme ‘hoje eu quero voltar sozinho’ de Daniel Ribeiro. Estilos Clínicos, São Paulo, v. 20, n. 1, jan./abr. 2015, 120-133.

PARKER, Richard Guy. Abaixo do equador. Culturas do desejo, homossexualidades e comunidades gays no Brasil. Rio de Janeiro: Record, 2002.

SEDWICK. K. Eve. A Epistemologia do armário. Tradução: Plínio Dentzien; Revisão: Richard Miskolci e Júlio Assis Simões. cadernos pagu (28), janeiro-junho de 2007.

SILVA & MARCONI & TOMAZETTI. Notas Sobre Espectorialidade Queer. Contemporânea comunicação e cultura. Salvador - v.16 – n.01 – jan-abr 2018 – p. 183-206 | ISSN: 18099386

TATUAGEM. Ficção/Longa-metragem. Direção: Hilton Lacerda. Distribuição: Imovision. 1 hora e 50 minutos. Brasil, 2013.

TREVISAN, João Silvério. Devassos no paraíso: a homossexualidade no Brasil, da colônia à atualidade. 3a ed. Rio de Janeiro: Record, 2000.

TINTA BRUTA. Ficção/Longa-metragem. Direção: Filipe Matzembacher e Márcio Reolon. Distribuição: VITRINE FILMES. 1 hora e 58 minutos. Brasil, 2018.

VIEIRA JR. E. Sensorialidades Queer no Cinema Contempoâneo: Precariedade e Intimidade Como Formas de Resistência. Revista Contemporanea comunicação e cultura - v.16 – n.01 – jan-abr 2018 – p. 168-182 | ISSN: 18099386.

WELZER-LANG, Daniel. A construção do masculino: dominação das mulheres e homofobia. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, volume. 9, n. 2, 2001.

Downloads

Publicado

2020-09-28