GRINDR: APONTAMENTOS SOBRE OS DISPOSITIVOS DA GENTRIFICAÇÃO DO QUEER

Autores

  • Thiago Scarpat Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
  • Gabriela Santos Alves Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Resumo

Discute a mutação do conceito de gentrificação a partir da perspectiva da territorialidade digital, tomando como base uma pesquisa de mestrado em andamento. Tem como objetivo central entender como a noção de gentrificação, quando adentra o ciberespaço, torna-se um diagrama estruturado por dispositivos tecnopolíticos, percebidos a partir do conceito gentrificação do queer. Toma como corpus analítico o Grindr, aplicativo de encontro afetivo- sexual queer. Reúne autores dos estudos sobre tecnopolítica, territorialidade, gentrificação, poder e teoria queer. É um trabalho de pesquisa qualitativa, em fase descritiva cuja metodologia é a genealogia, que visa a contribuir com uma reflexão sobre como a noção de gentrificação do queer vem no bojo de um fenômeno que cruza as teorias tecnopolítica e queer numa rede social digital de busca por parceiros, cuja ação em curso é movimentada por dispositivos, descritos em forma de resultados neste paper.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Scarpat, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Mestrando do curso de Pós-graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Gabriela Santos Alves, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Professora orientadora - Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Referências

BIDOU-ZACHARIASEN, C. (org.). De volta à cidade: dos processos de gentrificação às políticas de “revitalização” dos centros urbanos. São Paulo: Annablume, 2006.

BRUNO, F. Máquinas de ver, Modos de ser: vigilância, tecnologia e subjetividade. Porto Alegre: Sulinas, 2013.

BRUNO, F. et al. (orgs.). Tecnopolíticas da vigilância: perspectivas da margem. São Paulo: Boitempo, 2018.DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008.

DELEUZE, G. Foucault. São Paulo: Editora Brasiliense, 1988.

__________. Conversações. São Paulo: Editora 34, 2017.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2018.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

HALPERIN, D. M. L'art d'être gai. Paris: Epel, 2015.

KOZINETS, R. V. Netnografia: realizando pesquisa etnográfica online. Porto Alegre: Penso, 2014.

LEMOS, A. Cibercultura - tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre: Sulina, 2010.

MISKOLCI, R. “Negociando visibilidades: segredo e desejo em relações homoeróticas masculinas criadas por mídias digitais”. In: Bagoas, n. 11, pp. 51-78, 2014.

__________. Desejos digitais: uma análise sociológica da busca por parceiros on-line. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

PRECIADO, P. B. Testo junkie - sexo, drogas e biopolítica na era farmacopornográfica. São Paulo: n-1 Edições, 2018.

PRODANOV, C.; FREITAS, E. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

RAFFESTIN, C. Por uma Geografia do Poder. São Paulo: Ática, 1993.

SEDGWICK, E. K. “A epistemologia do armário”. In: Cadernos pagu, n. 28, jan-jun, pp. 19-54, 2007.

SCHULMAN, S. The gentrification of the mind: witness to a lost imagination. Berkeley: University of California Press, 2012.

__________ La gentrification des esprits. Paris: Éditions B42, 2018.

SIBILIA, P. O show do Eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

Downloads

Publicado

2020-09-28