O JOVEM COMO RESPONSÁVEL PELAS VIOLÊNCIAS NO TELEJORNALISMO CAPIXABA

Autores

  • Alice Barcellos Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
  • Edgard Rebouças Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Palavras-chave:

Telejornalismo. Juventudes. Violência. Análise de conteúdo. Fonte.

Resumo

O presente artigo é parte das análises da minha pesquisa de mestrado que teve como foco as juventudes nos telejornais da Grande Vitória. O estudo foi realizado com uma análise dos quatro telejornais da hora do almoço: Balanço Geral, Ronda Geral, ES 1 e Tribuna Notícias 1ª edição. Um dos principais conceitos da pesquisa é o de que não existe uma juventude, mas sim juventudes múltiplas, e que essas juventudes podem ser mostradas de diversas formas. As matérias analisadas foram da editoria de polícia, já que os noticiários exploram a violência e usam as juventudes diariamente nos jornais. Para auxiliar a análise, a metodologia utilizada foi a análise de conteúdo. Duas semanas do mês de março e abril de 2019 foram gravadas e analisadas para a pesquisa. O artigo mostra que nas matérias sobre insegurança urbana, o jovem é agente das violências, e que a principal fonte usada pela imprensa são as fontes oficiais, ou seja, quem fala por esse jovem é a polícia. Os jovens agentes de atos infracionais não são ouvidos, e a problemática dos jovens inseridos nas violências também não é feita no jornalismo capixaba.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alice Barcellos, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Mestra pelo Programa de Pós-graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Edgard Rebouças, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Professor orientador - Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo, Martins Fontes, 1977.

BRASIL. Lei nº 12.852, de 5 de agosto de 2013. Estatuto da Juventude. Brasília: Diário Oficial da União, 2013.

CARRANO, Paulo. Juventudes: as identidades são múltiplas. Revista Movimento, Faculdade de Educação da UFF, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, 2000, p. 11-27.

COSTA, Gabriela Vasconcelos; HENRIQUES, Rafael da Silva Paes. O lugar da população negra no telejornalismo capixaba. São Paulo: XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA- IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. Rio de Janeiro: IBGE, 2018.

NOVAES, Regina. Os jovens de hoje: contextos diferenças e trajetórias. In: Culturas jovens: novos mapas de afeto. ALMEIDA, M.I.M de, EUGENIO, F (orgs.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2006.

SALES, Mione Apolinario. (In)visibilidade perversa: adolescentes infratores como metáfora da violência. São Paulo: Cortez, 2007.

WOLF, Mauro. Teorias das comunicações de massa. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

Downloads

Publicado

2020-09-28