TERRITÓRIO EM DISPUTA: ANÁLISE DISCURSIVA SOBRE A COBERTURA DO JORNAL A GAZETA NO PLANEJAMENTO DO PARQUE TECNOLÓGICO DE VITÓRIA

Autores

  • Mayra Belem Tavares de Brito Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
  • Rafael Paes Henriques Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Palavras-chave:

Jornalismo. A Gazeta (Jornal).Parque Tecnológico de Vitória. Análise Crítica do Discurso.

Resumo

Este estudo buscou analisar como o jornal A Gazeta acompanhou e noticiou o projeto do Parque Tecnológico de Vitória, num período recente, embora o processo remonte à década de 1990. Para isso, foram levantadas as publicações de janeiro de 2016 a setembro de 2019, quando ocorreram a mobilização e a votação para definir a modalidade de uso do território, se misto ou exclusivo no Plano Diretor Urbano (PDU). A Análise Crítica do Discurso foi aplicada em um texto selecionado, sob a teoria de Fairclough (2001), como instrumento teórico-metodológico. Observamos que o tema foi subnoticiado, considerando a relevância da pauta mediante a necessidade de incentivar alternativas para o desenvolvimento econômico da capital capixaba e do estado do Espírito Santo, por meio da ciência e da tecnologia, desvinculando a economia da dependência das grandes corporações. As publicações despriorizaram os debates políticos e econômicos qualificados, dando espaço aos embates e disputas que podem ter sido produto de interesses envoltos em relações de poder socialmente estabelecidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mayra Belem Tavares de Brito, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Mestranda do curso de Pós-graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Rafael Paes Henriques, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Professor orientador - Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo (Póscom/UFES).

Referências

BRANDÃO, Helena. Introdução à análise de discurso. Campinas-SP: Editora da Unicamp, 2004. Disponível em https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/matraga/article/view/27905/19977. Acessado em 10 de outubro de 2019.

CHARAUDEAU, Patrick. Discurso das mídias. Tradução de Ângela M. S. Corrêa. 2. ed. 2. reimpr. São Paulo: Contexto, 2012.

FAIRCLOUGH, Norman, Discurso e Mudança Social, Editora Universidade de Brasília, Brasília, 2001.

FERNANDES, Vilmara. Venda de imóveis pode esperar PDU de 2028. Jornal A Gazeta, Vitória, 20 de março de 2018. Disponível em https://www.agazeta.com.br/es/gv/grupo-dadalto--venda-de-imoveispode-esperar-pdu-de-2028-0318. Acesso em 20 de junho de 2020.

FOUCAULT, M. Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1969.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HAESBAERT, Rogério. Definindo território para entender a desterritorialização. In: O mito da desterritorialização, do “fim dos territórios” à multiterritorialização. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

RAFESTIN, Claude. O território e o poder. In: Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

REIS, Ruth; ZANETTI, Daniela. Comunicação e territorialidades: Em torno do poder e da cultura. In: ZANETTI, Daniela; REIS, Ruth (Orgs.) Comunicação e territorialidades: poder e cultura, redes e mídias. 1. ed. VITÓRIA: EDUFES, 2018. v. 1.

SACK, Robert David. O significado de territorialidade. In: DIAS, Lila C.; FERRARI, Maristela. Territorialidades humanas e redes sociais. 2ª ed. Florianópolis: Insular, 2013.

SAQUET, M. A. Por uma geografia das territorialidades e das temporalidades: uma concepção multidimensional voltada para a cooperação e para o desenvolvimento territorial. São Paulo: Outras Expressões, 2011.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do Jornalismo, porque as notícias são como são. Florianópolis: Insular, 2. ed., 2005.

Downloads

Publicado

2020-09-28