A Mulher em Tripla Jornada: Discussão Sobre a Divisão das Tarefas em Relação ao Companheiro

Autores

  • Carolina Mota-Santos PUC Minas
  • Alcinéia Parreiras de Azevedo PUC - Minas
  • Érica Lima-Souza PUC - Minas

DOI:

https://doi.org/10.47456/regec.2317-5087.2021.10.2.34558.103-121

Palavras-chave:

Tripla jornada de trabalho, Divisão de tarefas do lar, Estresse

Resumo

O objetivo desse trabalho foi compreender a atual situação da mulher: casada, mãe, estudante e profissional em relação aos aspectos pessoais e profissionais; e como se dá a divisão de tarefas do lar e cuidados com os filhos em relação ao companheiro. A pesquisa de natureza qualitativa foi realizada com 19 mulheres na faixa de 21 a 60 anos. As contribuições desse trabalho estão em avançar na discussão sobre os desafios da mulher contemporânea que além de ter as demandas do lar, trabalha e estuda. Foi possível observar que a relação da mulher com o trabalho e o lar ainda é marcada por questões culturais relacionadas ao gênero e reforçadas por elas mesmas, que se sentem mais responsáveis pelos cuidados com os filhos e pelas tarefas domésticas que os companheiros e relativizam, e até enaltecem, qualquer participação deles nestas atividades. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Mota-Santos, PUC Minas

Doutora em Administração - PPGA da PUC Minas. Professora do PPGA - Programa de Pós-Graduação em Administração e professora da FAPSI - Faculdade de Psicologia da PUC – Minas. Coordenadora do NERHURT - Núcleo de Estudos em Recursos Humanos e Relações de Trabalho

Alcinéia Parreiras de Azevedo, PUC - Minas

Graduada em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de MG

Érica Lima-Souza, PUC - Minas

Doutoranda em Administração - PPGA da PUC Minas. Membro do NERHURT - Núcleo de Estudos em Recursos Humanos e Relações de Trabalho

Referências

de Almeida, V. C., & Santos, C. M. M. (2018). Labor, Career and Maternity: Perspectives and Dilemmas of Contemporary Professionals Women/Trabalho, Carreira e Maternidade: Perspectivas e Dilemas de Mulheres Profissionais Contemporaneas. Administração: Ensino e Pesquisa–RAEP, 19(3).

Badinter, E. (2011). O conflito: a mulher e a mãe. Editora Record.

Bardin, L. (2011). Organização da análise. In: Análise do Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 1-9.

Bastos, R. A. S. M., & Oliveira, A. M. (2017). O filme “Maria, filha de seu filho” (2000) e suas duas Marias: a presentificação mariana no espaço midiático e o imaginário social feminino. Interfaces Científicas-Humanas e Sociais, 6(1), 81-90.

Berkman, L. F., Liu, S. Y., Hammer, L., Moen, P., Klein, L. C., Kelly, E., ... & Buxton, O. M. (2015). Work–family conflict, cardiometabolic risk, and sleep duration in nursing employees. Journal of occupational health psychology, 20(4), 420.

Borsa, J.C., & Nunes, M. L. T. (2011). Aspectos psicossociais da parentalidade: O papel de homens e mulheres na família nuclear. Psicologia Argumento. 29(64), 31-39.

Bronstein, P. (1988). Marital and parenting roles in trasition: An overview. In P. Bronstein, & C. P. Cowan, (Eds.), Fatherhood Today: Men’s Changing Role in the Family (pp. 03-09). New York: John Wiley & Sons.

Bruschini, M. C.A. (2007). Trabalho e gênero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de Pesquisa. 37 (132), 537-572.

Cabrera, N. J., Tamis-LeMonda, C. S., Bradley, R., H. & Lamb, M. E. (2000). Fatherhood in the twenty-first century. Child Development 7(4), 326-370.

Câmara, Rosana H. (2013) Análise do Conteúdo: da teoria à pratica em pesquisas sociais aplicadas as organizações. Revista Interinstitucional de Psicologia, 6 (.2),179-191.

de Campos, E. A. R., Kuhl, M. R., de Andrade, S. M., & Stefano, S. R. (2016). Análise dos níveis de estresse em formandos de administração e ciências contábeis de uma universidade pública. Revista Gestão &Amp; Conexões, 5(1), 121–140. https://doi.org/10.13071/regec.2317-5087.2014.5.1.12066.121-140.

de Carvalho Neto, A. M., Tanure, B., & Andrade, J. (2010). Executivas: Carreira, Maternidade, Amores e Preconceitos. RAE-eletrônica, 9(1).

Duarte, R. (2002). Pesquisa qualitativa: reflexões sobre o trabalho de campo. Cadernos de pesquisa, (115), 139-154.

Feiring. C. & Lewis, M. (1978). The child as a member of the family system. Behavioral Science, 23, 225-233.

Fernandes da Silva, A., de Matos Maia, M. D. F., Gonçalves Lima, C. A., Torres Guedes, I., Costa Pedreira, K., Santos Silva, D. A., & Petroski, E. L. (2017). Fatores que prevalecem ao esgotamento profissional em professores. Brazilian Journal of Occupational Therapy/Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 25(2).

Ferreira, L., Silva, A., Silva, D., & Sousa, T. (2017). Mulheres em cargos de gerência e os desafios em conciliar vidas pessoal e profissional: um estudo em hotéis de São Luís-MA, Brasil. Revista Turismo & Desenvolvimento (RT&D)/Journal of Tourism & Development

Fontanella, B. J. B., Ricas, J., & Turato, E. R. (2008). Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cadernos de saúde pública, 24, 17-27.

Freitas, W. de M. F., Coelho, E. de A. C., & Silva, A. T. M. C. da (2007). Sentir-se pai: A vivência masculina sob o olhar de gênero. Cad. Saúde Pública, 23(1), 137-145.

Gabriel, M. R., Polli, R. G., Dall'Agnol, L. F., Tudge, J., & Piccinini, C. A. (2017).Envolvimento paterno aos 24 meses de vida da criança. Psicologia: teoria e pesquisa.

Godoi, C. K., & Mattos, P. L. C. L. (2006). Entrevista qualitativa: instrumento de pesquisa e evento dialógico. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 301-323.

Goldin, C., Kerr, S. P., Olivetti, C., & Barth, E. (2017). The expanding gender earnings gap: Evidence from the LEHD-2000 Census. American Economic Review, 107(5), 110-14.

Grossi, M. P. (2007). O pai não está desaparecendo: o que temos é uma transformação e papeis (Entrevista ainda precisamos de Pai? Da paternidade para a parentalidade). IHU Online – Revista do Instituto Humanistas Unisinos, 230, 4-7.

Hatam, N., Jalali, M. T., Askarian, M., & Kharazmi, E. (2016). Relationship between family-work and work-family conflict with organizational commitment and desertion intention among nurses and paramedical staff at hospitals. International journal of community based nursing and midwifery, 4(2), 107.

Hirata, H., Kergoat, D. (2007). Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Caderno de Pesquisa. vol.37, n.132, pp.595-609.

Hirt, M. C., Costa, M. C. D., Arboit, J., Leite, M. T., Hesler, L. Z., & Silva, E. B. D. (2017). Social representations of violence against women for a group of rural elderly. Revista Gaúcha de Enfermagem, 38(4).

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (2019). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua).

Laqueur, T. (1989). Amor veneris vel dulcedo appeletur. In: Feher, M., Nadeff, R., & Tazzi, N. Zone 5: fragments for a history of the human dody (Part III, pp.91-131). New York.

Lima, G. S., Neto, A. C., Lima, M. S., Tanure, B., & Versiani, F. (2018). O teto de vidro das executivas brasileiras. Revista Pretexto, 14(4), 65-80.

Lima Barbosa, M., Nobre de Menezes, T., Ribeiro dos Santos, S., Alves Olinda, R., & Cavalcanti Costa, G. M. (2018). Qualidade de vida no trabalho dos profissionais de saúde no sistema prisional. Revista Ciência & Saúde Coletiva, 23(4).

Liu, Y., Wang, M., Chang, C. H., Shi, J., Zhou, L., & Shao, R. (2015). Work–family conflict, emotional exhaustion, and displaced aggression toward others: The moderating roles of workplace interpersonal conflict and perceived managerial family support. Journal of Applied Psychology, 100(3), 793.

Mansour, S., & Tremblay, D. G. (2016). Work–family conflict/family–work conflict, job stress, burnout and intention to leave in the hotel industry in Quebec (Canada): moderating role of need for family friendly practices as “resource passageways”. The International Journal of Human Resource Management, 1-33.

Mota-Santos, C., Carvalho Neto, A., Oliveira, P., & Andrade, J. (2019). Enforcing the social contribution of gender: the qualified female public servant versus the female executive. Revista de Administração Pública, 53(1), 101-123.

Oliveira, T. L., Pôrto, E. F., Kümpel, C., Campelo, M., Pucci, S. C., de Oliveira Leite, J. R., & de Almeida, S. C. (2017). Associação entre jornadas de trabalho e estilo de vida. Life Style, 4(2), 55-71.

Pereira, A. M. L., & Lima, L. D. D. S. C. (2017). A desvalorização da mulher no mercado de trabalho. Revista Eletrônica Organizações e Sociedade, 6(5), 133-148.

Perrelli, M. T., & Tonelli, M. J. F. (2017). Mulheres do petróleo: sentidos atribuídos por homens e mulheres a tarefas tradicionalmente consideradas masculinas. Psicologia Argumento, 24(46), 31-38.

Perucchi, J. , & Beirão, A.M. (2007). Novos arranjos familiares: Paternidade, parentalidade e relações de gênero sob o olhar de mulheres chefes de família. Psicologia clínica, 19(2), 57-69.

Pinho, M. J. S., Ferreira, C. S. B., & Pina, T. (2018). As influências de gênero nas condições de trabalho e saúde docente. Revista Gênero, 18(1), 200-211.

Pirrolas, O. A. C.; Correia, P. M. A. R. (2020). Profissão, família e educação – conciliação da tripla jornada: uma questão de políticas e práticas organizacionais ou uma questão de sexo? Ver. FAE, Curitiba, v.23, n.1, p. 7-22, jan/jun.

Poster, M. (1979). Modelos de estrutura da família. Teoria Crítica da família. Rio de Janeiro: Universidade da Califórnia/Zahar.

Powell, G. N., Greenhaus, J. H., Jaskiewicz, P., Combs, J. G., Balkin, D. B., & Shanine, K. K. (2018). Family science and the work-family interface: An interview with Gary Powell and Jeffrey Greenhaus. Human Resource Management Review, 28(1), 98-102.

Resende, D. K. (2017). Maternidade: uma construção histórica e social. Pretextos-Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, 2(4), 175-191.

Richards, J. (1993). Sexo, desvio e danação, as minorias na Idade Média. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Rocha-Coutinho, M. L. (2005). Variações sobre um antigo tema: A maternidade para mulheres com uma carreira profissional bem-sucedida. Em T-Feres-Carneiro. Família e casal: Efeitos da contemporaneidade. (pp. 122-137). Rio de Janeiro: Ed. PUC- Rio.

Silva, Andressa H. & Fossá, M.I.T. (2015). Analise de conteúdo: exemplo de aplicação da técnica de análise de dados qualitativos. Qualitas Revista Eletrônica, 1 (17),1-14.

Silva, M. D. R., Gabriel, M. R., Cherer, E. D. Q., & Piccinini, C. A. (2017). Os conceitos de envolvimento e experiência nos estudos sobre paternidade. Arquivos brasileiros de psicologia. Rio de Janeiro. Vol. 69, n. 3 (2017), 116-132.

Smith, T. D., Hughes, K., DeJoy, D. M., & Dyal, M. A. (2018). Assessment of relationships between work stress, work-family conflict, burnout and firefighter safety behavior outcomes. Safety science, 103, 287-292.

Verdi, M. S. (2007). Os papeis de pai e mãe são muito relevantes (Entrevista Ainda precisamos de pai? Da paternidade para parentalidade). IHU Online- Revista do Instituto Humanistas Unisinos, 230, p.12-15.

Vinuto, J. (2016). A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Temáticas, (44).

Yavorsky, J. E., Kamp Dush, C. M., & Schoppe‐Sullivan, S. J. (2015). The production of inequality: The gender division of labor across the transition to parenthood. Journal of Marriage and Family, 77(3), 662-679.

Downloads

Publicado

2021-08-06

Como Citar

Mota-Santos, C., Azevedo, A. P. de ., & Lima-Souza, Érica. (2021). A Mulher em Tripla Jornada: Discussão Sobre a Divisão das Tarefas em Relação ao Companheiro. Revista Gestão & Conexões, 10(2), 103–121. https://doi.org/10.47456/regec.2317-5087.2021.10.2.34558.103-121

Edição

Seção

Artigos