DOCENTES INGRESSANTES E A FORMAÇÃO INICIAL: UM DIÁLOGO COM A EDUCAÇÃO BÁSICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22535/cpe.v2i50.26147

Resumo

O artigo aborda questões sobre o ingresso dos novos docentes na Educação Básica, a relação entre escolas e universidades e os estágios curriculares. Para realizar o estudo entende-se ser necessário conhecer como as escolas percebem aspectos que envolvem a atuação e também a formação inicial dos novos docentes. Com base numa perspectiva dialógica e colaborativa, a pesquisa iniciou uma interlocução com as escolas e foram identificados vários aspectos merecedores de maior atenção e aprofundamento, assim, num momento posterior, foi aplicado um questionário com gestores e equipe das escolas de uma rede municipal de ensino. Os dados coletados foram sistematizados e organizados em agrupamentos tendo como base as problematizações do estudo. Nos resultados da investigação identificam-se vários avanços, mas também muitos aspectos a serem mais considerados pelas políticas de formação docente, tanto no âmbito institucional, como governamental. Entende-se ser possível construir e legitimar propostas de formação inicial e continuada por meio de projetos e ações que envolvam, de modo participativo e integrado, as agências formadoras e a Educação Básica

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alba Regina Battisti de Souza, Universidade do Estado de Santa Catarina

Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação - Universidade do Estado de Santa Catarina

Lourival José Martins Filho, Universidade do Estado de Santa Catarina

Professor do Programa de Pós-Graduação da Universidade do Estado de Santa Catarina

Referências

BOGDAN, Roberto C.; BIKLEN, Sari Knopp. Investigação qualitativa em educação. Tradução Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Porto: Porto Editora, 1994.

DESGAGNÉ, Serge. Réflexions sur le concept de collaborative. Les Jounées du CIRADE. Centre Interdisciplinairede Recherche sur lÁpprentissage et lê Développement em Éducation - Université du Québec à Montreal, octubre –1998. Tradução Livre de Adir Luiz Ferreira. Natal: Novembro de 2003.

FREIRE, Paulo. Educação na cidade. São Paulo: Cortez, 1991.

FREIRE, Paulo. Cartas a Cristina: reflexões sobre minha vida e minha práxis. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2012

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 17. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2016.

GARCIA, Marcelo C. O professor iniciante, a prática pedagógica e o sentido da experiência. Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação Docente. Belo Horizonte (MG): v. 02, n. 03, p. 11-49, ago/dez 2010.

IBIAPINA, Ivana Maria Lopes de Melo. Pesquisa colaborativa: investigação, formação e produção de conhecimentos. Brasília: Liber Livros, 2008.

LÜDKE, Menga. ANDRE, Marli E.D.A. A pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2 ed. Rio de Janeiro: E.P.U., 2013.

NÓVOA, António. Professores imagens do presente futuro. Lisboa: Educa, 2009.

NÓVOA, António. Firmar a profissão como professor, afirmar a profissão docente. IN: Cadernos de Pesquisa. v.47 n.166 p.1106-1133 out./dez. 2017.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da Universidade. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2004.

_______________ e LESSARD, Claude. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Rio de Janeiro: Vozes, 2007.

TARDIF, Maurice e Raymond, Danielle. Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério. IN: Educação e Sociedade. Ano 21, nº73, Dezembro/00. p. 209-244. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v21n73/4214.pdf

Publicado

2019-12-30 — Atualizado em 2020-07-23