O FORMADOR NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MODELAGEM EM CONTEXTO DE PESQUISA: UM OLHAR A PARTIR DOS PROFESSORES PARTICIPANTES

Autores

  • Adan Santos Martens Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Tiago Emanuel Klüber Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.22535/cpe.v2i50.26564

Resumo

Este texto expõe a quinta categoria “Sobre o papel do formador na formação continuada”, a qual decorre da dissertação do primeiro autor, orientada pelo segundo. Assumimos uma postura fenomenológica-hermenêutica para olharmos os materiais significativos que foram os depoimentos de sete professores de Matemática de diferentes regiões do Brasil, que participaram de formação continuada em Modelagem em contexto de pesquisa. Nossas compreensões mostram, dentre outras coisas, para a necessidade de repensar o acompanhamento do formador ao professor, levando em consideração os diferentes perfis de professores e tendo em vista a construção de uma postura autônoma a fim de os professores desenvolverem Modelagem por conta própria. Além disso, a categoria expressa e corrobora coma necessidade de as formações serem realizadas para além de pesquisas, ou seja, a construção de grupos permanentes de estudo que se mantenham para além do período do desenvolvimento de dissertações ou teses.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adan Santos Martens, Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Educação Matemática

Tiago Emanuel Klüber, Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Doutor em Educação Científica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professor adjunto na Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Coordenador do programa de pós-graduação em Ciências e Educação Matemática da Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

Referências

BARBOSA, J. C. Modelagem matemática e os professores: a questão da formação. Bolema, Rio Claro, v. 14, n. 15, p. 5-23. 2001. Disponível em: < http://www.ufrgs.br/espmat/disciplinas/funcoes_modelagem/modulo_VI/pdf/Mod-Mat-formacao-professores.pdf>. Acesso em 15 de fev. 2017.

_____.; ARAÚJO, J. de L.; CALDEIRA, A. D.; GT 10 – Modelagem Matemática: relatório das sessões do GT10 no IV SIPEM. SBEM: 2009. Disponível em: <http://www.sbem.com.br/gt10/pdf/relatorio_ivsipem.pdf>. Acesso em 15 de fev. 2017.

BICUDO, M. A. V. Pesquisa qualitativa segundo a visão fenomenológica. São Paulo: Cortez, 2011.

CEOLIM, A. J.; CALDEIRA, A. D. Por que a Modelagem Matemática não chega à sala de aula?.In: XIV CIAEM – Conferencia Interamericana de Educação Matemática, 2015, Tuxtla Gutiérrez, Chiapas, México. Conferencia Interamericana de Educación Matemática, 2015.

DIAS, M. R. Uma Experiência com Modelagem Matemática na Formação Continuada de Professores. 2005. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – Universidade Estadual de Londrina.

IMBERNON, F. Formação permanente do professorado: novas tendências. 1. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

KLÜBER, T. E. Atlas/ti como instrumento de análise em pesquisa qualitativa de abordagem fenomenológica. ETD-Educação Temática Digital, v. 16, n. 1, p. 5-23, 2014. Disponível em: <https://doi.org/10.20396/etd.v16i1.1326>. Acesso em 08 de maio 2018.

_____. Formação de professores em Modelagem Matemática na Educação Matemática brasileira: questões emergentes. Educere et Educare, Cascavel, v. 12, n. 24, p. 1-11, jan./abr. 2017. Disponível em: <http://e-revista.unioeste.br/index.php/educereeteducare/article/view/15281>. Acesso em: 08 maio 2017.

_____. A pesquisa e a prática em na Educação Matemática: um debate. In: Encontro Paranaense de Modelagem Matemática – VII EPMEM, 1, 2016, Londrina. Anais... Londrina: UEL, 2016. p.21-30. Disponível em:<https://sites.google.com/site/viiepmem/trabalhos>. Acesso em: 08 maio 2018.

MACHADO, S. R. C. Percepções da Modelagem matemática nos anos iniciais. 2010. 150 p. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Tecnológica) – Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.

MARTENS, A. S. Formação Continuada em Modelagem Matemática em Contexto De Pesquisa: Um estudo a partir dos professores participantes. 2018. 132 f. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação. Área de concentração: Sociedade, Estado e Educação, Linha de Pesquisa: Ensino de Ciências e Matemática. Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE, Cascavel, 2018. Disponível em: <http://tede.unioeste.br/handle/tede/3925>. Acesso em: 08 maio 2018.

_______; KLÜBER, T. E. Práticas de formação de professores em artigos do VI Encontro Paranaense de Modelagem na Educação Matemática. Encontro Paranaense de Modelagem na Educação Matemática – VII EPMEM. 2016. Londrina – PR. Anais... 2016.

MARTENS, A. S.; TAMBARUSSI, C. M.; KLÜBER, T. E. Formação continuada em Modelagem na Educação Matemática: análise de práticas formativas em contexto de pesquisa. In: Encontro Paranaense de Educação Matemática – XIV EPREM. 2017, Cascavel - PR. Anais..., 2017. Disponível em: <http://www.sbemparana.com.br/eventos/index.php/EPREM/XIV_EPREM/paper/viewFile/124/58>. Acesso em: 07 jul. 2018.

MASINI, E. F. Enfoque Fenomenológico de pesquisa em Educação. In: FAZENDA, I. (org.). Metodologia da Pesquisa Educacional. 8. Ed. São Paulo: Cortez. 2002.

NÓVOA, A.Para uma formação de professores construída dentro da profissão, 2008. <http://www.revistaeducacion.mec.es/re350/re350_09por.pdf>. Acesso em: 07 jul. 2018.

PONTE, J. P. A formação do professor de Matemática: Passado, presente e futuro. Educação Matemática: caminhos e encruzilhadas. Atas do Encontro internacional em homenagem a Paulo Abrantes. Lisboa: Associação de Professores de Matemática, 2005. p. 1-23.

SILVEIRA, E.; CALDEIRA, A. D.. Modelagem na Sala de Aula: resistências e obstáculos. Boletim de Educação Matemática, v. 26, n. 43, p. 1021-1047, 2012. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0103-636X2012000300012>. Acesso em: 07 de jul. 2018.

TAMBARUSSI, C. M.; KLÜBER, T. E.. Focos da pesquisa stricto sensu em Modelagem Matemática na Educação Matemática brasileira: considerações e reflexões. Educação Matemática Pesquisa. São Paulo, v. 16, n. 1, p. 209-225, 2014. <http://revistas.pucsp.br/emp/article/view/16695>. Acesso em: 07 de jul. 2018.

Publicado

2020-07-23