Profissão docente e construção democrática (1960-1990): Uma aborgadem comparada

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22535/cpe.v22i52.28104

Palavras-chave:

profissão docente; história da educação; estudo comparado.

Resumo

 O artigo apresenta as linhas gerais  que orientaram o estudo comparado da história do associativismo docente no Brasil e em Portugal, na segunda metade do século XX. Procuramos observar, em escalas variadas, como se deu a intervenção de diferentes instâncias – organizações coletivas de professores, Estados-Nação e Organismos Internacionais – com vistas a interferir na organização da carreira e na construção das identidades profissionais dos professores. Em primeiro lugar, explicitaremos as possibilidades teóricas, metodológicas e empíricas que orientaram o trabalho de contextualização múltipla. Em seguida, abordaremos, ainda que brevemente, a participação das associações docentes nos contextos nacionais de fechamento e abertura política. Na terceira sessão, traremos algumas ideias em circulação, por meio da análise da Revista O Professor, veículo de difusão da associação dos professores secundários portugueses. Na sessão seguinte, reuniremos alguns dados para demonstrar a configuração de um contexto transnacional, no que tange à conformação da escola e da categoria docente. Nosso esforço final visou compor uma articulação entre essas diferentes instâncias, definindo, a modo de síntese, um espaço-tempo marcado pela concorrência entre diferentes registros e modos de intervenção na organização da carreira, bem como na definição das funções sociais e das condições de exercício profissional do magistério atuante na educação básica, durante os processos de construção democrática  que marcaram os contextos nacionais brasileiro e português, a partir dos anos 1970.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, Maria Helena Moreira (1984). Estado e oposição no Brasil (1964-1984). Petrópolis, Vozes.
BARROSO, João (2006). A regulação das políticas públicas de educação: espaços, dinâmicas e atores. Lisboa, Educa.
MACHADO, Luiz Toledo (1999).A teoria da dependência na América Latina. Estuos Avançados, vol.13, n.35, pp. 199-215. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-40141999000100018&script=sci_arttext
NÓVOA, Antonio (2008). Modelos de análise em educação comparada: o campo e a carta. In SOUZA, Donaldo e MARTINEZ, Silvia (orgs.). In: Educação Comparada: rotas de além-mar. São Paulo, Amã, pp.23-62.
RESENDE, José Manuel (2001). O engrandecimento de uma profissão: Os professores do ensino secundário público no Estado Novo. Lisboa, Fundação Calouste Gulbekian.
REVEL, Jacques (org.). Jogos de escla: a experiência da micro-análise. RJ-FGV.
SANTOS, Boaventura Sousa (2003). Dilemas do nosso tempo: globalização, multiculturalismo e conhecimento (entrevista concedida a Luis Armando Gandin e Álvaro Moreira Hypólito). In Currículo sem fronteiras, vol. 3, nº 2, jul.dez, pp. 5-23.
SCHRIEWER, Jürgen (2001). Formas de externalização do conhecimento educacional. In: Cadernos Prestige, n. 5. Lisboa, Educa.
SALOMÂO, B. e ALIMANDRO, (2010). A Importância do Curso de Pós-Graduação SEPE/UFF para o Projeto Político do Sindicato. In: Anais do Seminário Associações e Sindicatos de Trabalhadores em Educação: seminário internacional para discussão de pesquisas. Rio de Janeiro, IUPERJ, CD-Rom.

Downloads

Publicado

2020-11-11